quarta-feira, 2 de novembro de 2011

...os medidores do trigo...

entranha-se-me a lenha da tua impune voz
                                  sem perdão
ensaio o arrepio da tua augusta noite
                                  sem fúria
entranha-se o gemido do teu plagente soalho
                                  sem malogro
ensaio o tom brusco da tua velha claridade
                                 sem maldição


entranha-se-me a agitação da tua nobre doçura
                                  sem crença
ensaio o excesso da tua ousada fraqueza
                                 sem glória
entranha-se-me o orvalho do teu caloroso desânimo 
                                sem tepidez
ensaio a rutura dos teus pesados soluços
                               sem verdade

                                             ana monteiro

3 comentários:

António disse...

Minha querida reconheceria este poema como teu se o visse escrito num lugar, mesmo que improvável.Não te esqueço.

manufactura disse...

...serás sempre o meu "ajudante-de-campo":) :) :)...

a_delgado@netcabo.pt disse...

Entranha-se-me a claridade das tuas palavras, no altruismo de querer fazer luz.

com muita estima