sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

...orgulhosos do seu passado...








O típico debate que se podia resumir, de ambas as partes a: " as nossas duas pilas já não servem para nada,mas ainda assim a minha é maior que a tua."

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

...freud afinal é um charlatão...





...le crépuscule d`une idole...

Le freudisme et la psychanalyse reposent sur une affabulation de haute volée appuyée sur une série de légendes. Freud méprisait la philosophie et les philosophes, mais il fut bel et bien l'un d'entre eux, auteur subjectif d'une psychologie littéraire... Freud se prétendait scientifique. Faux : il avançait tel un «Conquistador» sans foi ni loi, prenant ses désirs pour la réalité. Freud a extrait sa théorie de sa pratique clinique. Faux : son discours procède d'une autobiographie existentielle qui, sur le mode péremptoire, élargit son tropisme incestueux à la totalité du genre humain. Freud soignait par la psychanalyse. Faux : avec la cocaïne, l'électrothérapie, la balnéothérapie, l'hypnose, l'imposition des mains ou l'usage du monstrueux psychrophore en 1910, ses thérapies constituent une cour des miracles. Freud guérissait. Faux : il a sciemment falsifié des résultats pour dissimuler les échecs de son dispositif analytique, car le divan soigne dans la limite de l'effet placebo. Freud était un libérateur de la sexualité. Faux : son oeuvre légitime l'idéal ascétique, la phallocratie misogyne et l'homophobie. Freud était un libéral en politique. Faux : il se révèle un compagnon de route du césarisme fasciste de son temps. Chamane viennois, guérisseur extrêmement coûteux et sorcier post-moderne, il recourt à une pensée magique dans laquelle son verbe fait la loi. Ce livre se propose de penser la psychanalyse de la même façon que le Traité d'athéologie a considéré les trois monothéismes : comme autant d'occasions d'hallucinations collectives. Voilà pourquoi il est dédié à Diogène de Sinope...

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

...ser campeão é um orgulho...jorge costa, aquele que tratava os árbitros pelo primeiro nome, abandona o futebol...

Como jogador azul e branco, o defesa central tem uma enorme lista de vitórias:
Liga dos Campeões Europeus: 1 (2003/04)
Taça UEFA: 1 (2002/03)
Taça Intercontinental: 1 (2004)
Campeonato Nacional: 8 (1992/93, 94/95, 95/96, 96/97, 97/98, 98/99, 2002/03 e 2003/04)
Taças de Portugal: 5 (1993/94, 97/98, 99/00, 2000/01, 2002/03)
Supertaças: 8 (1992/93, 93/94, 95/96, 97/98, 98/99, 2000/01, 2002/03 e 2003/04)
A estes títulos há ainda a acrescentar a vitória no Mundial de sub-20 em 1991.
Jorge Costa representou a selecção principal das quinas por 50 vezes, tendo chegado às meias-finais do Campeonato Europeu em 2000.

 ...o meu inesquecível número dois...

domingo, 19 de dezembro de 2010

...cornijas da conspiração...

Há limites para a paciência de um beirão... fruto de uma criatividade impetuosa, anda por aí uma corrente ideológica a preparar-se para obrigar o pessoal a usar correntes de protecção de pneumáticos, em dias de neve, que como todos sabemos são, por aqui, a maior parte do ano. Há semelhança do assange, mas na modalidade automobilizada, o pessoal ainda vai parar à cadeia por não investir uns "míseros" 70 euros, que,no dizer de alguém, acérrimo defensor das ditas correntes: "70 euros é uma ninharia, são dois cafés". Na minha opinião, pelo atrevimento, este cabrão deveria levar logo um murro nos cornos e levar com as correntes pelas trombas, e não me apontem como mal educada ou incorrecta, para estes casos eu não conheço outra forma de tratamento, e em questões desta delicadeza eu só me sei expressar com delicadeza igual e com súbtil sentido de estado.
Quiçá também se preparam para nos obrigar a andar com uma vassoura para limpar a neve da estrada, pá e saco de areia para desmantelar o bloqueio... quiçá a vassoura, pá, saco de areia  e correntes (tudo em kit) venham a ser certificadas e comercializadas por mais um dos amigalhaços, sentado à esquerda do pai,nesta nação que se quer profana (de profanar), que o povo vive nesta escandalosa amorfia, "resistindo à tortura sem um sequer gemido", e vai tardar arranjar energia para a rebelião.
No embaraço da sua incompetência, no seu hálito de altivez troglodita, não vamos lá com estas câmaras e esta protecção civil,tenhamos fé na era da nanotecnologia, que descubra alcatrão repelente de neve.Chiça... lembro-me agora da célebre frase, que se pode aplicar ao grotesco desta república: "às vezes quando levamos porrada da bófia, somos levados a pensar que o estado nos está a proteger.", neste caso é o próprio estado a esmurrar-nos.  ana monteiro

sábado, 18 de dezembro de 2010

...goodbye captain...



...helter skelter...

...re-leituras...

...Há livros a que é sempre bom voltar...

...contas da àgua...

Na Guarda e em todos os municípios servidos pela Águas do Zêzere Côa, as tarifas da água e saneamento dispararam 10% e 15%, respetivamente, de forma escandalosa, tendo sido este aumento carimbados pelo ministério do ambiente e com a firme promessa, da AdZC, de que os aumentos irão continuar de forma pungente.
Culpa de quem?
Diz o administrador da AdZC, João Rodrigues, de quem os munícipes de A. da Beira, Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, F. de C. Rodrigo, F. de Algodres, Fundão, Gouveia, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Penamacor, Seia, Sabugal e O.do Hospital, são mais vítimas da sua incompetência que seus clientes, na comunhão deste bolo social, que os custos da água na região, devido às caraterísticas do terreno (?), são mais dispendiosas do que noutras regiões.
Convido então todos os munícipes a “falsificar”este pálido sub-argumento, à maneira de Popper, de forma interrogativa: água mais cara numa região onde brota como os cogumelos em qualquer poça ou charco? Dificuldades de captação onde, com a ajuda da gravidade, se poupa nos gastos da bombagem?
O único argumento que não é descartável é a falta de rigor na gestão, os exorbitantes ordenados dos seus incompetentes administradores, que do sector percebem muito pouco, incompetentes ao ponto de nem conseguirem gerir uma reles e imunda chafarica. O único argumento a não descartar é a falta de cuidado no manuseamento, sustentado no “toca a esbanjar”, deste dinheiro que é público, onde o escândalo do aumento de custos é diretamente proporcional ao desacelerar do investimento por parte desta empresa multimunicipal.
Culpa de quem?
Os presidentes dos 16 municípios que integram a AdZC assinaram AGORA um manifesto contra os aumentos da água e saneamento, o presidente do município do Fundão apelou à intervenção do Instituto Regulador de Águas e Resíduos, no sentido de tomar medidas que inviabilizem a pretensão da empresa multimunicipal. Alguns executivos camarários, que em tempos “mamaram” no dinheiro das infra-estruturas, amarrando-se voluntariamente ao “esquema”, esperneiam, quais virgens ofendidas, na ameaça de abandonar a associação.
Os presidentes dos 16 municípios que integram a AdZC, agora com mais de 100 milhões de euros de dívidas, ao invés de engolirem um contrato, onde a “prerrogativa” do agravamento do custo da concessão era inevitável e iria sobrecarregar os consumidores, num esquema incoerente e sempre em deficit, ao invés, dizia eu, sempre tinham a alternativa de prestarem elas próprias o serviço de forma individual ou em cooperação. Não o fizeram por incompetência? Aderiram á AdZC de forma “cega”, vítimas do fulgor da sua falta de visão.
Culpa de quem?
Culpa da Covilhã não ter aderido à empresa? Como maior cliente poderia sustentar e rentabilizar a empresa? Mas… se sem a Covilhã a empresa era insustentável porque avançaram?
E o presidente da câmara da Guarda, actual administrador da assembleia-geral da AdZC, ao invés de recuar na intenção, que ainda vai a tempo, pois o argumento da insustentabilidade do sistema fora da AdZ, não colhe respeito nem credibilidade, por motivos mais-que-óbvios, E COMO MOEDA DE TROCA, para sossegar os nervos da estrutura, leva agora à Assembleia Municipal uma declaração de interesse público para a AdZC efetuar obras nos equipamentos, inseridos na Barragem do Caldeirão – Mondego superior. O presidente da Câmara da Guarda aposta numa arraigada respiração boca-a-boca num sistema ultrajantemente moribundo, oferecendo-lhe de mão beijada novas captações no Caldeirão, em troca de limpeza de dívidas.
Seria ocioso lembrar aqui que a água é um direito social público, parece ser a esfera pública, que não ao abrigo dos interesses públicos, quem mais viola esse direito e, dentro dessa mesma esfera, se põe em causa a sobrevivência, já em si frágil, de toda uma região.
VAMOS CAIR NESTE ALÇAPÃO?
Jorge Noutel

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

...coincidências do catano...


...desfolhando o pasquim da cidade ao lado, "jornal do fundão", desta vez no sentido oposto aos ponteiros do relógio, salta à vista a pirosa missiva publicitária, paga a peso de ouro,  na velha cultura standard do ps, para não criar a nostalgia, se nos lembrarmos da forma anedótica, fóssil e  já com costra, como vitor pereira nos deliciava na constução "cénica" e "semiótica" dos seus outdoors, qual figura do desterro... a este propósito aconselho, ao ps, uma consulta aos assessores de imagem de manuel frexes...
...mergulhemos então mais de perto na "sinonímia" da dita publicidade, não pude deixar de reflectir sobre  a profundidade da mensagem, a imagem da câmara, quiça o transbordar do sonho, pouco lúcido, no estado de vigília, teorizado pelo filhos pastores luteranos, Carl Gustav Jung... 
... aproximemos um pouco mais o ângulo, o cor-de-rosa é o apanágio do partido, na minha opinião um pouco abichanado, mas as opiniões valem o que valem... este "carlos" assina, à mão, com o prefixo "dr.", quiçá para se distinguir de um outro "carlos", a quem, em cujo cartaz do êxodo lhe sugiro que se deixe fotografar em cima de um cavalo, sonhando domesticar um torrão de açucar com um cesto de costura ...
...sintomática a figura do "curandeiro" ... e a propósito disso não digo mais nada, que não foi isso que aqui me trouxe...
...continuando a acariciar as folhas do dito pasquim, na última página, e em grande destaque, a intenção de "dr" carlos de candidatar à câmara da covilhã, quiça mais um que se despenha mesmo antes de descolar:)...
... não foi preciso um grande exercício de activação da imaginação para imediatamente estranhar a denunciadora, quiça grotesca (mas nem me ateveria a tanto), coincidência, qual canção de embalar... e não digo mais nada, que posso estar a distorcer a coincidência... mas que é do catano, lá isso é... e nem me atrevo a dizer "uma mão lava a outra", assim a descoberto na minha identidade":) :) :) ana monteiro

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

...origami...



"Guy Fawkes (Iorque, 13 de abril de 1570 — Londres, 31 de janeiro de 1606), foi um soldado inglês católico que teve participação na "Conspiração da pólvora" (Gunpowder Plot) na qual se pretendia assassinar o rei protestante Jaime I da Inglaterra e todos os membros do parlamento durante uma sessão em 1605, objetivando o início de um levante católico. Guy Fawkes era o responsável por guardar os barris de pólvora que seriam utilizados para explodir o parlamento inglês durante a sessão."

domingo, 12 de dezembro de 2010

...efeitos secundários...

imagem -  grémio da estrela
O Executivo camarário liderado pela sageza mais-que-característica de  carlos pinto, vai "confirmar", em votação, na próxima assembleia municipal, mais um empréstimo, desta vez, no valor de um milhão de euros, destinado, à "iniciativa pura" de  comparticipação camarária nos projectos já, em tempos idos, financiados pelo QREN, como as obras do Parque Florestal (142.143 euros), Jardim Botânico (172.300 euros), Parque de Feiras e Festas do Tortosendo (173.586) e a qualificação de infra-estruturas em Unhais da Serra (511.970).  Caso não tenham ainda dado conta, obras como o Parque das Feiras e Festas do Tortosendo, já foram concluídas já lá vão mais de dois anos, e das duas uma, ou a câmara da covilhã é bem mais mal pagadora do que eu pensava, ou a obra já está paga, com uns dinheiritos que por lá andavam perdidos na sede do executivo, sendo esta última a minha convicção.
Vamos lá então explorar esta última hipótese: Questionavam os vereadores do ps sobre os motivos da câmara para “contrair este empréstimo quando é certo que tem em tesouraria 5 milhões, 953 mil euros, como, aliás, resulta do resumo diário de tesouraria do passado dia 2”, mas se estes vereadores, de visão estreita e tacanha, estiverem bem atentos às contas, que não estão, perceberiam que estes cerca de 6 milhões são apenas, e tão só, virtuais, é dinheiro que já está em dívida para fornecedores. Aliás, o dinheiro na nossa câmara, nos próximos dois séculos, será apenas virtual, por culpa de uma governação local  prenhe de  incompetência, e pela falta de cuidado cuidado no grosseiro manuseamento, sustentado no “toca a esbanjar”, deste dinheiro que é público, o que levará, num muito curto prazo, ao desnudamento total dos habitantes da nossa cidade, a miséria será o nosso verdadeiro chão, como já o é para muitos.
 Ou seja, a câmara está a contrair um empréstimo para se reembolsar a si própria no adiantamento em outros créditos e dívidas que desnecessariamente contraiu, alguém consegue ver utilidade naquele mamarracho, que é o "parque das merendas do tortosendo" agora fantasma, totalmente ao abandono, e, passados dois anos, já em total decadência ameaçando sérias derrocadas para a via pública? 
É QUE  NO FINAL NINGUÉM IRÁ PEDIR  RESPONSABILIDADES A  ESTA CORJA DE  IRRESPONSÁVEIS... ANDAM, ENTÃO, SEMPRE À SOLTA... 

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

...nasa descobre nova forma de vida...

One of the basic assumptions about life on Earth may be due for a revision thanks to research supported by NASA’s Astrobiology Program. Geomicrobiologist Felisa Wolfe-Simon has discovered a bacterium in California’s Mono Lake that uses arsenic instead of phosphorus in its DNA. Up until now, it was believed that all life required phosphorus as a fundamental piece of the ‘backbone’ that holds DNA together. The discovery of an organism that thrives on otherwise poisonous arsenic broadens our thinking about the possibility of life on other planets, and begs a rewrite of biology textbooks by changing our understanding of how life is formed from its most basic elemental building blocks. Astrobiology Magazine has the story.
Wolfe-Simon’s research is supported by NASA’s Exobiology and Evolutionary Biology (Exo/Evo) Program and the NASA Astrobiology Institute. Among the goals of these programs is determining the evolution of genes, metabolic pathways, and microbial species on Earth in order to understand the potential for life on other worlds. Wolfe-Simon’s discovery represents the first time in the history of biology that an organism has been found to use a different element to build one of its most basic structures. The paper appears in today’s issue of “Science Express“ and will subsequently be published in the journal Science.
Source: [NASA]

domingo, 28 de novembro de 2010

...os extremosos guardiões da soberania...

Há coisas sobre as quais, no momento em que vamos à procura da sua explicação, são dissolvidas muitas das nossas resistências. Quis saber e perguntei: "porque é que os deputados não podem fazer greve?" a resposta que obtive foi de que faziam parte de um órgão de soberania, quedei-me imediatamente sem argumentação, que ainda nem me consegui recompor:) :) Seja lá o que for isto da soberania, deve ser algo de extrema importância e gravidade, para os deputados abdicarem de um dos seus direitos mais básicos, o da greve e a aceitarem a disciplina exigida... tudo pela soberania... e que numa primeira vista, "um gajo" olha para estas coisas como algo de ridículo e ilógico... quis aprofundar o aspecto trágico da questão... nunca o sistema foi talhado em tal perfeição, os nossos deputados abandonam os seus estáveis empregos, o conforto da sua vida, num acto de nobreza e de tamanha abnegação, para servirem o seu povo e garantirem que todas as suas mais-que-expectáveis conspirações, maquinações, falsificações, intransigências, negligências, ilegalidades, injustiças, especulações difusas são por um ideal bem mais altaneiro - o da ordem existente... a demanda quase-teleológica pela posse da soberania – uma aventura perigosa, que com tantos cabrões lá a guardarem-na ela está sempre garantida…
E… eu… que ainda acredito ser capaz de experimentar uma vida fora deste desolante “espectáculo” e fora dos conhecidos caminhos… continuemos pois a deitar lenha…
ana monteiro

...bolo em cama de peras em croft...

COLOCAR NUM TABULEIRO METADES DE PERA EM CALDA COM CROFT DURANTE DUAS HORAS.
MISTURAR E BATER BEM QUATRO OVOS CASEIROS, 200GRS DE FARINHA, AÇUCAR E MANTEIGA DERRETIDA, 2 COLHERES DE CHÁ DE FERMENTO E 1 COLHER DE BICABORNATO DE SÓDIO E OUTRA DE ESSÊNCIA DE BAUNILHA, 50 GRAMAS DE CACAU E 50 GRS DE CHOCOLATE EM PÓ... COBRIR AS PERAS COM A ESTA MASSA E LEVAR AO FORNO 20 MIN A 180 GRAUS... E DEPOIS É UMA FESTANÇA...

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

...palavras do candidato do BE à presidência ..."a adopção gay ainda me causa engulhos"...

É a favor da adopção por casais homossexuais?

"Depois de aprovado o casamento homossexual, independentemente da opinião pessoal, a adopção é inevitável. Eu sou de outra geração. A adopção sempre me pôs mais problemas, mais engulhos do que o resto. Não tenho um preconceito, mas penso nas crianças. As crianças são muito cruéis... Mas pode ser que a sociedade mude muito. Seja como for, sou pelas liberdades e pela eliminação das discriminações." Manuel Alegre ao Sol

...je vous salue, marie...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

...los lobos siempre me respetaron...


Entrelobos es el último film, aún en fase de rodaje, del director cordobés Gerardo Olivares. Antiguo realizador de documentales televisivos de viajes, Olivares ha sido también director de los largomentrajes de ficción ‘La gran final’ y ‘14 kilómetros’, dedicados a narrar la vida y circunstancias (a veces trágicas) de los indígenas de la selva amazónica y los inmigrantes subsaharianos que tratan de llegar a las costas españolas, respectivamente. Por tanto, podemos deducir que a este director le interesa muy especialmente la relación del hombre con la naturaleza en su vida cotidiana.
Con Entrelobos, Olivares abandona los habituales escenarios exóticos de su obra por otros más cercanos, aunque sus constantes temáticas permanecen inalterables. La película narra la historia real de Marcos Rodríguez Pantoja, un cordobés (al igual que el autor) nacido durante la posguerra española, quien se fue a vivir con un pastor de Sierra Morena a los 7 años, algunos dicen que vendido por su padre. El caso es que dicho pastor desapareció al poco tiempo, teniendo el pequeño Marcos que aprender a sobrevivir en la naturaleza junto a una manada de lobos, de la que se convertiría en líder. A los 19 años, la Guardia Civil se encargaría de obligarle a regresar a la civilización y a llevar una vida convencional, aunque, de alguna manera, nunca perdería el vínculo con los animales con los que compartió en estado salvaje 12 años de su vida.
Ciertamente, resulta una historia insólita, máxime teniendo en cuenta de que los hechos acaecieron hace apenas cinco décadas, entre 1953 y 1965. Por todo el mundo se han dado, e incluso se siguen dando, casos similares. Pero la historia de Marcos tiene especial interés para nosotros por transcurrir en suelo patrio, y muy especialmente por implicar a uno de los grandes símbolos de la naturaleza amenazada de nuestro país, el lobo ibérico. Estamos acostumbrados a ver a este animal en los documentales de Félix Rodríguez de la Fuente y sus sucesores televisivos, pero nunca había tenido un papel de tanta importancia en el cine español (no, no cuentan los trabajos ‘licantrópicos’ del desaparecido Paul Naschy).
Entrelobos está protagonizada por Juan José Ballesta interpretando al Marcos Rodríguez adulto. Le acompañan (aparte de los lobos), entre otros, conocidos intérpretes como Carlos Bardem, Sancho Gracia o Antonio Dechent. Su estreno está previsto en otoño y promete ser una de las apuestas más llamativas del cine español para el presente año. Esperemos que Gerardo Olivares sepa sacar todo el jugo poético a una trama insólita en nuestra cinematografía, aunque sin tener por ello que renunciar a la verosimilitud. En cualquier caso, esta historia se nos antoja un soplo de aire fresco entre las diferentes propuestas que nos puede ofrecer el cine español más reciente.
Fuente
www.elmundo.es

...a propósito do desfile...

...quando de uma das manifestações de professores, uma funcionária de lisboa do partido ao qual eu pertencia, o bloco de esquerda, telefonou-me, e mandaram-me mail,  a marcar o local de encontro dos "professores do bloco", em frente ao diário de notícias, que era para parecermos mais:) tive de explicar à dita que as minhas motivações não eram fazer monte ou número e que ia com os professores da minha escola, com quem tinha amizade e afinidade na luta... na altura até fiquei ofendida, mais me pareceu uma sabotagem aos verdadeiros motivos da luta! ... e ... professores do bloco... ???? ... mas que raio é que isso é...???? ...é admirável onde pode chegar os descaramento!!!... o filme continua a repetir-se a cada manifestação...

domingo, 21 de novembro de 2010

...só não havia manifestantes de outros sectores políticos na manif porque a CGTP não os deixou entrar...

"Vem esta moçinha da foto ao lado dizer, e com razão, o seguinte: "Foi muito importante esta manifestação promovida pela Campanha "Paz sim! Nato não!" Por muito que algumas televisões tentem esconder e manipular o que se passou, a verdade é que mais de 80% das dezenas de milhares de manifestantes estavam enquadrados por bandeiras do PCP. Mesmo que tentem mostrar apenas dirigentes do B.E, quem lá esteve sabe a verdade. "
Pessoalmente não vejo a pertinência, pela ocasião, de estar a contar todas as espingardas ou os actores da manif. Já são recorrentes os "cotrifões"(empurrões) entre o BE e o PCP para ocupar o melhor lugar no DESFILE ( e digo DESFILE não de forma ingénua, inseminado o espectáculo), numa transgressão aos objectivos das manifs que os ultrapassa em grande e os desvirtua. É a factura de todo este semitravestismo ideológico afastado do conteúdo libertador da própria ideologia. Como diz o povo, nem sempre conseguimos esconder quem verdadeiramente somos:) :) Proibam mas é todas estas touradas tão degradantes como a própria cimeira...

...era preciso autorização da CGTP para participar na manifestação anti-nato...

"Durante a manifestação a repressão foi outra, a polícia sindical foi sempre impedindo manifestantes anarquistas de participar na manifestação, ao que se foi cedendo sem qualquer provocação esperando por o fim da manifestação da propriedade da CGTP para entrar na rua. Ao fim de um tempo, foi-se descendo a rua pelo passeio, até que houve uma aberta no meio da manifestação e naturalmente e sem qualquer agressividade tentou-se entrar na rua onde a manifestação de protesto decorria, rapidamente a segurança da CGTP começou a empurrar os manifestantes e chegou a tirar a uma mulher panfletos anarquistas e a deita-los fora (ainda bem que não eram livros, ainda faziam alguma fogueira), após um burburinho, agressões foram trocadas e uma troca de insultos, lá nos fizeram o “favor” de nos deixar entrar na sua propriedade e foi-se descendo a rua tal como os restantes manifestantes.
O argumento que a manifestação pertencia à CGTP é no mínimo insólito, além do ridículo e abusivo que tal argumento é, vários grupos não afectos à CGTP participaram na mesma sem qualquer preocupação, mas desde o início o objectivo de dezenas de polícias sindicais foi a de não deixar os anarquistas, independentes e outros não-alinhados participar, como deixavam claro nos telefonemas trocados à nossa frente “sim estão aqui alguns, mas já estamos aqui para não os deixar entrar”. Que ridícula a grande motivação de não deixarem meia centena de manifestantes participarem na manifestação, que pelos vistos tinha um proprietário, o proprietário do direito a protestar, para afinal bastar umas agressões para deixarem nos participar, se calhar só queriam molhar as sopas… Porque molhar as sopas em quem dizem combater… ‘tá de chuva….. Aí já são situações institucionais, legais e outros que tais
É bem sabido de como a greve e as manifestações estão hoje institucionalizadas e de efeitos que pouco passam o simbolismo, e são propriedades de sindicatos e não reivindicações directas nem expropriações dos operários que ficam um pouco a “toque de caixa” de patrões, estado e sindicatos que decidem décimas de percentagens em mesas onde nenhum deles pode chegar. Diminuíram a força anarco-sindicalista e dos próprios operários para ser dada força a um partido que desde cedo propôs como prioridade o fim da força operária e o inicio da obediência à ditadura bolchevique Russa e consequente extermínio da CGT em Portugal e aderência de todos os sindicatos à Internacional de Sindicatos Vermelhos, mas preocuparem-se quase 90 anos mais tarde com 50 manifestantes anarquistas e não-alinhados tal como se preocuparam com 100000 elementos da CGTP de à 90 anos atrás é risível e nota-se a sua boa (triste) forma.
Sim as nossas reivindicações eram outras, mas o direito a protestar é o mesmo. Contra o estado e patrões, pelas colectividades do povo, contra toda a autoridade, pela greve geral real e não por um dia sem trabalhar autorizado pelo estado e patrões, contra o capitalismo dos patrões e o capitalismo de estado, pela autogestão, pela liberdade.
É tempo de desmistificar o que é o anarquismo para todos, e fazer cair o preconceito que afecta todos os sectores da sociedade. É altura de beliscar até fazer mossa, o que queremos é uma sociedade horizontal, solidária e de apoio mútuo, de respeito pela individualidade e pela diversidade, de autogestão, sem fronteiras sem autoridade, ter nas nossas mãos o que é nosso, não é de patrões nem de estados. Não se pode apoiar um sistema corrupto, falido e explorador, não se reforma tal barbaridade. Uma democracia parlamentar é apenas ceder o poder aos outros, os nossos desejos, sonhos e liberdades. “Ser melhor que antes do 25 de Abril” não chega, acreditemos na nossa capacidade de sermos livres, donos do nosso destino, donos do nosso trabalho diferente dos moldes como existem hoje para servir apenas os outros, seja o estado da esquerda ou os patrões da direita."
SAÚDE E ANARQUIA!

sábado, 20 de novembro de 2010

...já rolam cabeças no bloco de esquerda à pala de manel alegre...

"O Bloco de Esquerda elegeu nas últimas eleições autárquicas um vereador em Olhão.
Entretanto, por causa de uns processos judiciais relacionados com umas empresas do dito vereador (no BE também há empresários), o BE propôs ao vereador João Pereira que abandonasse o cargo a favor do número dois da lista ou então que se mantivesse no cargo como independente.
O vereador optou por se manter como independente. Em consequência, a Comissão de Coordenação Regional do Algarve do BE retirou-lhe a confiança política. Mas houve militantes que não gostaram, e logo a respectiva Concelhia resolveu apresentar uma moção de censura à Coordenadora Distrital pela "anti-democracia demonstrada" (quem diria que estas coisas dos partidos burgueses também acontecem no Bloco) e outra moção de censura por lhe ter retirado a confiança "violando os estatutos do Bloco" (ó diabo, aqui já pia mais fino).
João Brandão, elemento do secretariado da Comissão, segundo o jornal "Postal", esclareceu que "não queremos um Valentim Loureiro no partido" (belo exemplo). O vereador diz que o problema está apenas no facto dele não apoiar Manuel Alegre e que os processos judiciais já eram do conhecimento do partido. aqui
Enfim, mais uma salgalhada daquelas que Francisco Louçã costuma criticar nos outros partidos, mas que pelos vistos não consegue resolver em sua própria casa." http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/2368927.html

e nem a propósito

...badamalos,.. velhos tempos... a festa da aldeia...

dulce monteiro, lígia paula, ana monteiro

terça-feira, 16 de novembro de 2010

...o caganer mourinho...

O caganer é una figura de uma pessoa defecando que é utilizado curiosamente como figura decorativa dos presépios na regiao da Cataluña (Espanha). Esta tradiçao é plenamente aceite pela igreja católica espanhola. Sinónimo de fertilidade numa sociedade de tradição agrícola, a figura original, que representa um camponês defecando, remonta, segundo historiadores, à exaltação realista da época barroca, no século XVIII. O "caganer" simboliza a necessidade de fertilizar a terra para ter uma boa colheita no ano seguinte.A origem dessa estranha tradicão situa-se no séc XVIII.
Tradicionalmente o caganer usa uma roupa tradicional catala, porém atualmente fabricam-se  uma infinidade de versões de caganer, principalmente figuras internacionais do cenário da política e das artes.
 
Fonte: Portal Terra

terça-feira, 9 de novembro de 2010

...cafés e cigarros...

- reclamo para mim a inocuidade da minha traição, não consta dos acontecimentos trágicos, mas do revelado fetichismo da vida quotidiana.
- traição e inocuidade? inimigos irreconciliáveis nos dogmas petrificados da vida quotidiana. pagaste o serviço?
- tal atitude não se me revelou explicitamente importante.
- mas é claro que evidencia toda a importância, porque a procuraste?
- pelo amor incondicional que te tenho! pelo amor que me dizes ter. não posso dispensar esse amor. e tu? porque só agora me desprezas?
- pelo amor incondicional que te tinha, pelo erro grosseiro da tua traição, estou prisioneira dos petrificados dogmas da vida quotidiana.
- reclamo a inoquidade da minha traição, alheia a citações da tomada de consciência, tinha de te trair, estive enclausurado no meu amor, convulsiva teia de excremento! a traição era o acto e não a flecha. cativo naquele trágico escolho de insatisfação de ocupante do cais, enganando o tempo em cafés e cigarros... transbordando na vontade de fazer a romaria das artérias. anoitecias "mulher da noite doente em que os homens se perdem", eu transbordando de vontade de desfolhar a algazarra.
-traíste-me!
- como ousas? não alterei nenhuma das tuas regras, não abusei da tua vergonha, afinal foi pelo amor incondicional que te tenho. não posso dispensar esse amor. e tu? porque só agora me desprezas? ela libertou-te da fúria dos teus ciúmes,porque só agora não te deitas comigo?
- inverteste as leis naturais, não vejo utilidade nessa tua falsa consciência! não vejo utilidade em secar o calafrio do pêndulo.
- reclamo para mim a inocuidade da minha traição.
ana monteiro

...mulher colhida mortalmente por comboio..

"Uma mulher foi esta segunda-feira atropelada mortalmente por um comboio perto do Tramagal (Abrantes), tendo a circulação na Linha da Beira Baixa estado interrompida desde as 15h10 até às 17h44.
Segundo o Centro Distrital de Operações de Socorro, o atropelamento deu-se cerca das 15h10, tendo estado no local três viaturas e sete elementos dos Bombeiros Municipais de Abrantes e a GNR de Abrantes."
...Vinha eu neste comboio a pensar, na velha ideia, em como o sol de inverno engana as árvores ao fazê-las florir...

domingo, 7 de novembro de 2010

...estes lampiões já nem sabem bem de onde é que lhe estão a cair...


...hoje passei no ccb... coleção artur jorge...

"Entre os dias 5 e 7 de Novembro metade da colecção que vai ser leiloada em Paris vai estar exposta no CCB. Pintura, escultura e instalação de artistas muito conceituados, contituem a mostra. Pablo Picasso, Jean-Michel Basquiat, Salvador Dalí, Marc Chagall, Wassily Kandinsky, Jakcon Pollock, Man Ray, Andy Warhol, Francis Picabia, Joan Miró e René Magritte, são alguns dos nomes de destaque na exibição.
A 8 de Dezembro, são cerca de 100 obras que vão ser leiloadas pela leiloeira Christie’s, em pareceria com a leiloeira portuguesa Sala Branca. “O gosto pessoal e a disponibilidade financeira” foram os critérios apontados por Artur Jorge para a selecção das peças, feita ao longo dos anos nos vários países onde viveu e trabalhou como treinador."

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

...o móbil do encerramento do Covilhã maior...

"Era hábito, já com alguma antiguidade a Câmara da Covilhã oferecer o almoço aos funcionários no aniversário da cidade.
Hábito que este ano foi quebrado ao que tudo indica por causa da crise, a mesma crise que permite oferecer o almoço a altas esferas do País e do Concelho.
Ao realizar-se um almoço seria de bom tom que fosse com os funcionários alargado aos demais convidados para as comemorações dos 140 anos da Covilhã, ou se realmente se quer poupar não há almoço para ninguém.
Será que se fosse ano de eleições o critério era o mesmo?
Duvido.
Esta é apenas uma pequena amostra do que se passa por este País fora, os mais desfavorecidos como os trabalhadores, idosos, reformados, doentes, etc. são amplamente falados em todos os discursos eleitorais, mas nos intervalos dos anos eleitorais é como se não existissem.
Onde nos irá levar esta forma tão reles de actuar da nossa classe politica?
Seja o que Deus quiser, mas algo tem que mudar em tudo isto. "extraído de http://www.covilhamaior.blogspot.com/

...uma organização democrática dos países todos...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

...no intervalo no outrora... ana monteiro...

“os animais não têm religião”

salteadores do fogo e também animais religiosos

será apenas verdade na incauta metrópole, a que chamámos o arrojo da antítese, será apenas verdade no luto arregalado, a que chamámos o arrojo do embrião, será apenas verdade no lastro do musgo, a que chamámos a evidência do resguardo.

“os animais não têm consciência do tempo”

salteadores do momento e também animais ateus

qual a data do começo do mundo?

a data dos lírios e das amoras. suspeito que as amoras foram já catalogadas, suspeito apenas. a data da areia e dos seixos. suspeito que as amoras já foram condenadas, não ficam para semente. suspeito apenas.

amargos paradoxos

o animal mais velho do mundo, imbricadas arestas, mandíbulas salientes em perpétuo movimento, depositou mais de trinta mil ovos próximo do recife dos lábios, próximo do pasto de borracha no pudor do arado.

qual da data do começo do mundo?

o animal observou sempre o que passou à sua volta, à mercê do predador.

salteadores da individualidade e também animais solitários

será apenas verdade no mofo dos corredores, a que chamámos o ruminar da justiça, será apenas verdade na espera dos semáforos, a que chamámos o ruminar da vastidão, será apenas verdade no enfeite do fadista, a que chamámos o pudor do absurdo.

qual a data da encomenda da suspeita?

A suspeita pegou, há-de haver uns tantos e tal anos, pelo menos, serviu como palco da tragédia a sôfregas figuras à deriva, residindo aí a sua maior vantagem; oxalá, não em demasia. A suspeita pegou, há-de haver uns tantos e tal anos, pelo menos, serviu como enxurrada no pomar a sôfregas gargantas à deriva, residindo aí a sua memória para guardar; oxalá, não em demasia.

Respira-se no ar

a chávena de cinzas

umas cinzas e tanto

respiração acessória

a chávena com oxigénio dissolvido

substitui o pulmão¬

amargos paradoxos

enxurradas no pomar das camélias

em que idade vai o mundo?

um clássico, a pergunta e o perguntar

protejam o meu filho até ao fim, ele é um de nós

mondo as ervas num campo de minas e omito a paternidade descuidada do velho do restelo. e, não se pergunta a idade ao mundo, pesa-nos a balada. é quase certo que a maioria dos animais lhes ganham a ambiguidade dos dias, não do romance. é quase certo que à maioria dos animais não lhes dói a memória, mas a lucidez, as migalhas.

“os animais não têm consciência do tempo”

mondo as ervas do retrato, suspiro na agonia, um acordeão que resiste no pomar.

numa chávena de cinzas, o temor pelos farrapos da noite

umas cinzas e tanto

até que idade vai o mundo?

o erro de malthus , o inesgotável petróleo

alimentados divergentes cenários de expoente catástrofe, revisitadas páginas fósseis de teorias, alimento da progressão gráfica da população. alimentados divergentes cenários de expoente catástrofe, rasgaram a membrana na espiral do remoinho, protegeram as emoções do momento.

pomares de camélias amarelas em muros mudos

pomares de camélias amarelas em decotes maduros

há que ranger os dentes,

a flor com mais pétalas do mundo, imbricados estames, pistilos salientes em perpétuo movimento, depositou mais de trinta mil variedades próximo do recife dos lábios, próximo do pasto de borracha no pudor do arado.

“os animais não têm religião”

salteadores do fogo e também animais religiosos

a pregação aos peixes, seus fiéis ateus voam acima da trégua, alguém pagou a suspeita, há-de haver uns tantos e tal anos, pelo menos, serviu como palco ao reajuste dos estames do paradigma, residindo aí a sua maior vantagem; oxalá, não em demasia. Alguém pagou a suspeita, há-de haver uns tantos anos e tal, pelo menos, serviu como exaltação no pomar a exaltações e confortos mediáticos, residindo aí a sua memória para guardar; oxalá, não em demasia.

há que ranger os dentes

no intervalo do outrora

embora fragmentada ficção, a incauta metrópole nasce e vive a maior parte do seu tempo na memória do detalhe, na vibração do campos cativos de anseio no seu subúrbio. embora fragmentada ficção, a incauta metrópole nasce e vive a maior parte do seu tempo no desejo do detalhe, na alucinação dos campos tingidos de afecto no seu subúrbio.

- há que ranger os dentes

estrangular o silêncio na trégua descalça

eu não diria: “- melodia”, eu diria “-suspiro”

enquanto o sino, repousa, na ausência do abraço

ressoa na meia hora na espiral do orvalho

resiste na meia hora a melodia na lapela das árvores da floresta

valerá a desmemória…

sinal de alarme

amargos paradoxos

enxurradas no pomar das camélias

Ana Monteiro em "Oxímoro, no intervalo do outrora"

...sunset park...

sábado, 30 de outubro de 2010

...o último adeus...

“O Último Adeus” (1830) do escritor conservador (e, como um verdadeiro conservador, trabalhador, consta que escrevia 15 horas por dia!) Honoré de Balzac (1779-1850) é um excelente romance histórico que se lê de uma penada – a edição de bolso da Europa-América tem 80 páginas e um tamanho de letra gigantesco que facilita o devorar da leitura.
Escritor do seu tempo e figura de proa do romantismo francês, Honoré de Balzac oferece-nos neste romance um retrato realista (que tanto caracteriza o romantismo do século XIX) da derrocada de Napoleão e da debandada do seu exército depois da fatídica invasão da Rússia. A prosa chega mesmo a ser chocante pela sua desmesurada crueza:
“O heroísmo destas tropas generosas ia mostrar-se inútil. Os soldados que afluíam em massa às margens do Beresina vinham encontrar, por desgraça, essa imensidão de carros, de caixas, de móveis de toda a espécie, que o exército tivera de abandonar ao efectuar a travessia do rio nos dias 27 e 28 de Novembro [de 1812]. Herdeiros de riquezas inesperadas, esses desgraçados, endurecidos pelo frio, instalavam-se nos bivaques vazios, partiam o material do exército para construírem cabanas, acendiam fogueiras com tudo o que lhes vinha às mãos, despedaçavam os cavalos para se alimentarem das suas entranhas, arrancavam as cortinas ou as capotas dos carros para se cobrirem, e ficavam-se a dormir, em vez de continuarem o caminho e transporem, durante a noite, esse Beresina que uma incrível fatalidade tornara já tão funesto para o exército.
A apatia desses pobres soldados não a podem compreender senão os que se lembram de terem atravessado esses vastos desertos de neve sem poderem beber outra coisa que não fosse a própria neve, sem outra cama além da neve, sem outra perspectiva além do horizonte de neve, sem outro alimento que não fosse a neve ainda ou algumas beterrabas geladas e uns punhados de farinhas ou carne de cavalo. Mortos de fome, de sede, de cansaço e de sono, esses infelizes chegavam à praia onde se lhes deparava madeira, lume, alimentação, inúmeros carros abandonados, bivaques, enfim, toda uma cidade improvisada.” (p. 28/29).
A história trata de um amor impossível, entre o barão Philippe de Sucy e a condessa Stéphanie de Vandières, iniciado no tumulto desumano da guerra e mais tarde reencontrado, embora marcado com as chagas abertas pela mesma. Philippe tenta então resgatar o garnde amor da sua vida das trevas da loucura. Esta nobre e romântica atitude produziu resultados e teve consequências. Vale a pena ler para saber qual foi o preço que o barão de Sucy pagou pelo seu amor incondicional a Stéphanie."

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

...uma lógica muito à frente... maria-patroa e maria-criada...

O secretário-geral da UGT, João Proença, defendeu hoje a aprovação do Orçamento do Estado (OE) para 2011 na Assembleia da República porque, apesar de ser mau "é um mal menor". O mesmo João Proença que avançou na defesa da greve geral contra as medidas de austeridade contempladas nesse mesmo Orçamento de estado:)
Em pequeno caiu dentro da tina do lagar, só pode!!! ... pisar uvas pode ser fatal:) ...

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

...we’ve learned to expect the unexpected from mike scott...

The man and the music: Mike Scott in front of a portrait of WB Yeats, whose work he has put to music “My only responsibility,” he says, “was to make it as great as I can.”

In 1985, just when the Waterboys were searching for the Whole of the Moon and threatening to take their Big Music to the big league, Scott decamped to Ireland, lured by the fiddle and the promise of fresh adventures. Later, when he wearied of the band’s enchanting blend of folk, country, blues and rock, he rediscovered his electric guitar and headed first to New York and then to Findhorn, following the muse and the music to the detriment of his record sales but to the benefit of his soul. aqui

domingo, 24 de outubro de 2010

...passei o dia na marmelada...

A minha receita
Colher os marmelos, este é um passo fundamental.
Lavar muito bem e levar ao lume coberto de água. Deixar arrefecer um pouco, retirar os caroços e partir aos pedaços, casca incluída, passar muito bem até ficar um puré homogéneo.
Levar ao lume açucar com água , setecentos gramas por um quilo de massa de marmelo, ferver até fazer estrada. acrescentar a massa até ferver bem e no final acrescentar um gole de uma boa aguardente. Distribuir por malgas e quando arrefecer pincelar com uma colher de chá de aguardente, cobrir com papel vegetal. Deliciosa:) :)

...aqui há punheta...

Começou a palhaçada das converseta entre o PSD & Ps!!
Pergunta-se: para que servem tais reuniões???
Jogarem à canasta, com os baralhos do Sócrates e do Coelho?
Tomarem o chá e comerem os célebres scones???
Comerem castanhas assadas e beberem a jeropiga???
Falarem das aparições de Fátima e dos milagres da santinha da ladeira???
Masturbarem-se a ver filmes pornos???
Comerem punhetas de bacalhau???
É que já se sabe que o PSD se vai abster, logo o orçamento VAI PASSAR!!!
Então qual a razão das ditas reuniões.......
Quem paga tais despesas???
O Orçamento de Estado, pois então.......
Parem com a palhaçada!!!