segunda-feira, 30 de agosto de 2010

...paul delvaux...

...salvad a shakineh...bernard henry-lévy...

"Sakineh Mohammadi Ashtiani es esa mujer iraní de 43 años que fue condenada a la lapidación y lleva ya cinco años pudriéndose en la prisión de Tabriz, al oeste de Irán, a la espera de que se ejecute la sentencia.
Sakineh ni siquiera tuvo un juicio transparente, en un idioma que pudiese comprender
Es urgente recordar al régimen las promesas hechas en 2002 y 2008 respecto a la abolición de ese tipo de castigos
Y eso por un "crimen" que solo confesó bajo tortura y que consistió, según sus acusadores, en haber mantenido... ¡una relación amorosa extramatrimonial!
La opinión pública internacional, conmocionada por el horror de la situación, esperaba con ella la revisión de un veredicto tan inicuo como bárbaro cuando, el 9 de agosto pasado, tuvo lugar uno de esos golpes de efecto a los que Irán nos tiene acostumbrados: el régimen difundió por televisión, en un programa de gran audiencia, las nuevas "confesiones" de la mujer, que, cubierta con un chador negro que solo dejaba asomar su nariz y uno de sus ojos, y con una hoja de papel entre los dedos -como si recitase una lección mal aprendida- y una voz en off en farsi superpuesta a su propia voz -que se expresaba en su lengua materna, el azerí-, confesaba un segundo crimen: su supuesta complicidad en el asesinato de su marido.
A su actual abogado, Hutan Kian, no le sirvió de nada recordar que Sakineh ya había sido absuelta de esa misma acusación en 2006.
Sin hablar de las dudas que no podía evitar alimentar sobre la identidad de la mujer que, oculta bajo su velo integral, apareció aquella noche en las pantallas, Hutan Kian afirmó que, una vez más, esa declaración -carente de toda verosimilitud- había sido arrancada mediante tortura.
Finalmente, recordó que contradecía abiertamente otras afirmaciones, aparecidas en el diario británico The Guardian ocho días antes, en las que la misma Sakineh explicaba que las autoridades iraníes ya la habían exculpado de esa acusación infame en 2006; que, por tanto, mentían descaradamente al volver a sacar a relucir un cargo delirante abandonado desde hacía tiempo, y que la "justicia" solo se obcecaba en su caso "porque es una mujer" y porque vive "en un país en el que las mujeres están privadas de los derechos más elementales".
Que Sakineh carece de los derechos más elementales queda patente en el hecho de que ni siquiera tuvo un juicio transparente, en un idioma que pudiese comprender ("cuando el juez pronunció la sentencia", declaró a The Guardian, "no comprendí que iba a ser lapidada hasta la muerte, pues ignoraba lo que significaba la palabra rajam; me dijeron que firmase la sentencia y lo hice, y cuando volví a prisión y mis compañeras me advirtieron de que iba a ser lapidada, me desmayé inmediatamente").
Esto queda confirmado por las desventuras de su antiguo abogado, Mohammad Mostafaei, el mismo que atrajo la atención internacional sobre su caso y que, por esa razón, se vio amenazado de cárcel (ese hombre admirable, uno de los últimos abogados libres de Irán, una de las últimas conciencias del país, tuvo que huir a Turquía y luego a Noruega, donde pude entrevistarme con él hace unos quince días para conocer de primera mano todos los detalles de esta macabra farsa judicial).
Pero, más allá de estas consideraciones de derecho, en las que mucho me temo que ya no queda demasiado tiempo para detenerse, es urgente intervenir, sin dilación, para impedir una ejecución cuya inminencia tenemos sobradas razones para temer.
Es urgente responder al llamamiento de los hijos de Sakineh, Fasride y Sajjad Mohammadi Ashtiani, por el que nos conminan a presionar por todos los medios posibles a una "justicia" que parece tener prisa por terminar y convertir el caso Sakineh en el símbolo de la inflexibilidad de la Charía a la iraní.
Cada año, decenas de mujeres son condenadas en Irán al látigo, la lapidación u otras penas cuya barbarie pone los pelos de punta: más allá del caso Sakineh, es urgente recordar al régimen de los mulás las promesas hechas en 2002 y 2008 respecto a la abolición de ese tipo de castigos.
Está en juego la vida de una mujer.
Y también la libertad y la dignidad de cientos de ellas.
Y, finalmente, se trata del honor de un gran país, dotado de una cultura tan magnífica como inmemorial y que no puede quedar reducido, ante los ojos del mundo, al rostro ensangrentado, destrozado, de una mujer lapidada.
Piedad, por tanto, para Sakineh.
Piedad para Irán, cuyo pueblo merece algo mejor que esa abominación.
Es el sentido de la petición que lanzamos en Francia, en el sitio www.laregledujeu.org, junto con Milan Kundera, Patrick Modiano y otros.
Es el sentido de un vasto movimiento de solidaridad que se puso en marcha a partir de ahí y al que se han sumado dos ex presidentes de la República Francesa (Valéry Giscard d'Estaing y Jacques Chirac), los grandes líderes de la oposición (Martine Aubry, Ségolène Royal), la primera dama de Francia (Carla Bruni-Sarkozy) y hasta el actual presidente francés, Nicolas Sarkozy, que declaró, el miércoles pasado, en una conferencia con embajadores, que Sakineh había pasado a estar "bajo la responsabilidad" de Francia.
¡Desearía tanto que el movimiento se extendiese a España!
Desearía tanto que, aquí también, a través de este periódico que sabe, mejor que ningún otro, lo que quiere decir luchar contra la dictadura, las mujeres y los hombres de buena voluntad, al margen de sus orígenes y su filiación, se reuniesen bajo el humilde estandarte de ese: "Hay que impedir la lapidación de Sakineh", que ya ha recogido cientos de miles de firmas en Estados Unidos y Francia...
Prosigamos el combate.
Obtengamos todos juntos la absolución de Sakineh." aqui

domingo, 29 de agosto de 2010

...memória de elefante...heroico antihéroe...

"Memoria de elefante es la obra primogénita de la galardonada carrera literaria de Antonio Lobo Antunes; entre los múltiples premios recibidos destacan: el Gran Premio de la Novela de la Asociación Portuguesa de Escritores, el Premio Rosalía del Castro del PEN Club gallego, el Premio de Literatura europea del Estado austriaco, el Premio de la Unión Latina de escritores y el Premio Jerusalén.
En la presente novela, el personaje principal se comunica con una voz grave de débiles resonancias desde la subjetividad más profunda de su ser, a través de una prosa poética llena de analogías artísticas insospechadas y sorprendentes, angustiosas metáforas, alegorías, paradojas, opacos diálogos y fustigantes monólogos existencialistas, en un ambigüedad dualista plena de incertidumbre, dirimiendo entre la banalidad y lo trascendental.
Huyendo del excesivo y exuberante racionalismo matemático, del pragmatismo, de la autoridad idealista y de la positivista, del a veces presuntuoso espiritualismo y del avasallador materialismo, en suma, contra cualquier autoridad, el protagonista se presenta en un mundo de desorientación, de confusión y de ubérrima crisis.
A modo de proceso iniciático y tras la cegadora claridad del exceso del racionalismo tradicional, el protagonista lanza un desesperado grito de sinceridad en la concavidad del silencio, sin arrogancia, interrogando la realidad sin recibir una respuesta convincente, pendiendo sin equilibrio alguno y contorsionándose sobre sí mismo sobre una cuerda entre el determinismo y la libertad, entre la fe y el agnosticismo, entre el absolutismo y el relativismo moral.
Exhortando lo inanimado y lo animado, metamorfoseando la existencia para comprenderla, jugando con la fantasía y la realidad de la percepción, formando un puzzle de elementos congruentes e incongruentes. Evocando el caos dentro de un aparente orden y un orden dentro del caos, expulsando todo ello a través del desanudado globo de la libertad.
De profesión psiquiatra, a veces muy a su pesar, el personaje principal se presenta como un individuo frágil por condición pero duro por necesidad, desterrado a la vida de cabeza y con fórceps, desbordado en el análisis de su inestable proyecto de existencia frente a la aparentemente titánica esencia del pasado. Proyecto de existencia individual que sólo encontró estabilidad en el útero materno y que existe en la soledad de un mundo en el que no entiende las leyes de su armonía y para el que son inservibles los ecos armónicos de la tradición.
En su subsistencia, se desliga con melancolía de cualquier memoria de geométricas autoridades y resonancias de leyes universales, siendo incapaz de erigir con su intencionalidad otra jurisdicción que le guíe en su dispersión, aceptando un desorden que le lleva a la cuasi perversa aniquilación de su propio ser. Desesperación ante la cara de una realidad a la que es incapaz de dar un diagnóstico definitivo, conformándose con meros y aproximativos dictámenes, calmando el dolor con livianos analgésicos cuyo exceso lleva al aturdimiento, sin encontrar un medicamento contundente que lo elimine de raíz.
Afrontando la realidad con una voluntad desgarradoramente individual agredida por un trágico pesimismo, defiende sin mucha contundencia y con eterna y angustiosa duda, su propio y largo sendero de sinuosos acaecimientos, entre los que se encuentra su participación en una guerra; incardinado en una soledad disonante, derruida como una estatua de la antigüedad y reconcentrada de los hedores del pasado.
Nuestro personaje enfatiza de manera literaria la unicidad de su persona y su lucha por el significado de su libertad, una libertad sin brújula, que al mismo tiempo que le oprime, le convierte en un ser singular e individual, separado del orden cósmico, permitiéndole conformar su identidad sobre la base del sufrimiento y del tormento, en comunicación existencial con la alteridad.
Libertad cuya cruz es la responsabilidad, responsabilidad por la que sufre una angustia y ansiedad existencial generada como mecanismo de defensa ante la construcción de su identidad y destino en armonía o disonancia con la libertad de los demás, y como respuesta a las amenazas y tensiones que sufre en su sistema de valores.
Nuestro protagonista es una singularidad que existe en la medida en que actúa y se realiza con cierto pesimismo en la conquista e imputación de sus propios actos. Elige su camino sin dejarse llevar por modelos universales y objetivos, elección libre únicamente limitada por las circunstancias que le rodean, implicación con compromisos y responsabilidades sin garantía.
Sin una predisposición o predestinación previa, el protagonista vivencia la responsabilidad de sus acciones y la subjetividad de su existencia, se reconstruye y configura en su mismidad sobre la base del tormento, reconociendo opacamente la alteridad, y en busca de la aparentemente prismática verdad. Alteridad en la que pasa de ser sujeto a convertirse en objeto, donde se refleja un mundo de incomprensibles estereotipos humanos, algunos encerrados en el psiquiátrico, otros en libertad de movimientos por la vida, pero todos ellos sin manual de instrucciones .
Nuestro psiquiatra lucha por la búsqueda de un lenguaje universal que le comunique con la realidad y con los otros, en la salida del laberinto de su existencia. Sensación y experiencia lingüística mantenida única y exclusivamente con su añorada ex mujer a la que sigue amando y no puede olvidar, y a la que paradójicamente no acierta a decirle. Experiencia que ni siquiera tuvo con su madre, quien casi murió después de su parto, además de sufrir una sordera metafórica o real que le llevó a su incomprensión.
Al igual que los castigos míticos de condena a una eternidad de insatisfacción, nuestro protagonista se siente condenado a una existencia angustiosa e incomprensible, a través de los rígidos parámetros de la razón heredada.
Hundido en la camilla del dualismo, entre la existencia y la esencia, entre la racionalidad y sus inconsecuencias, entre la credulidad y la incredulidad, nuestro protagonista deriva en la decadencia de la razón, sin forjamiento de ilusiones y tocando el fondo del desencantamiento de la existencia, encallando en el dolor y la crueldad de la sincera realidad que marca su destino hacia .... ¿la nada?" Arancha Oña Santiago aqui

...mina...

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

...não foi por "cobardia" que Lobo Antunes faltou...

"Escritor falhou encontro em Tomar depois de ex-combatentes o terem ameaçado de pancada por relato da guerra colonial
Não foi por cobardia - por ter medo de levar um "par de murros" que um grupo de ex-combatentes lhe prometeu - que António Lobo Antunes faltou no sábado à noite a uma tertúlia em Tomar.
Lobo Antunes veio ontem a público desmentir a organização, que disse que o escritor invocou "motivos de segurança" para justificar o cancelamento do evento.
A tertúlia estava marcada para sábado, o mesmo dia em que o Expresso noticiou que o grupo de oficiais na reforma ameaça "ir ao focinho" de Lobo Antunes por causa de declarações do escritor sobre a guerra do Ultramar.
Ontem, Lobo Antunes confessou ter ficado "indignado" com o vice-presidente do Turismo de Lisboa e Vale do Tejo. "É completamente mentira a justificação dada por Manuel Faria", disse à Lusa.
O escritor explicou que foi convidado para ir a Tomar falar sobre livros e dar autógrafos. Mas na sexta-feira, já durante a viagem, leu num jornal que o objectivo da organização era que ele fosse falar dos seus tempos de tropa. Foi então que decidiu voltar para trás.
"Senti-me enganado. Foram desonestos comigo. Afinal aquilo era uma operação de propaganda do senhor do turismo", afirmou o escritor. "Não sou cobarde, não tenho medo de ameaças."
A justificação não calou as críticas. José Ribeiro, amigo do escritor, condenou-o por faltar ao seu compromisso. "Tomar esteve à altura da obra do António Lobo Antunes, mas ele não esteve à altura de Tomar", disse.
Por detrás das ameaças estão as declarações no livro Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes, publicado há um ano. O livro de João Céu e Silva - jornalista do DN - é uma compilação de entrevistas. A passagem controversa é aquela em que Lobo Antunes fala da sua experiência como médico na guerra em Angola.
O escritor começa por dar conta do número brutal de baixas no seu batalhão e conta como os portugueses se esforçavam para acumular pontos para se conseguirem mudar para zonas mais calmas. "Fazíamos tudo, matar crianças, mulheres, homens. Tudo contava, e como quando estavam mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros."
No final de 2009, começaram a circular nos blogues de ex-combatentes mensagens de ameaças físicas. Militares que estiveram em Angola a combater acusam o escritor de mentir e chamam-lhe "bandalho" e "atrasado mental".
No sábado, o Expresso noticiou como um grupo de oficiais na reforma pediu ao chefe de Estado Maior do Exército que patrocinasse uma acção contra o escritor, por atentado à honra dos militares. A ideia não vingou.
Lobo Antunes disse, ontem à Lusa, que "nunca pretendeu ofender as Forças Armadas portuguesas", das quais fez parte, lembrando que os seus avôs materno e paterno também foram militares.
Em entrevista ao DN (ver final do texto) afirma: "Não sou historiador, os meus livros são romances, e tudo o que escrevo passa pela verdade da ficção. Qualquer outra interpretação é abusiva. Começo a ficar cansado de constantes invasões à minha vida privada e das más interpretações do que escrevo ou digo". DN

entrevista ao DN
"Ficou surpreendido com a justificação que foi dada pelos responsáveis da Junta de Turismo de Lisboa e Vale do Tejo por ter cancelado a sua ida a Tomar?
Fiquei surpreendido e indignado com a reacção da Junta de Turismo por eu recusar ir a Tomar, porque pensava que iria participar de um evento literário e não fazer propaganda ao próprio organismo.
Quando é que decidiu não participar na iniciativa literária para que foi convidado?
Ia a caminho desta cidade quando li uma notícia no Jornal de Notícias, em que um responsável da Junta de Turismo referia que eu estava a seguir os conselhos do Presidente da República e a fazer férias em Portugal em vez de as realizar no estrangeiro. Fiquei indignado, repito, com a utilização da minha pessoa e telefonei imediatamente a cancelar a minha participação no evento, pois o convite fora-me feito como escritor e não para fazer propaganda ao turismo de Tomar. Cidade de que, desde já digo, muito gosto e à qual estou ligado por ter passado vários meses no hospital militar aí existente antes de ir como militar para Angola.
Não foi por receio que cancelou a presença na iniciativa?
Que fique claro que não tenho medo de qualquer represália física ou outra, seja de quem for, para evitar ir a Tomar ou a outra cidade. O que me chocou nas declarações do vice-presidente da Junta de Tu-rismo, Manuel Faria, foi o facto de serem considerações mentirosas, ao quererem fazer-me passar por aquilo que não sou: um cobarde.
A que se deve este tipo de linguagem tão palavrosa com que alguns militares se lhe dirigem na Internet?
Os epítetos de que me acusaram sob uma linguagem inaceitável poderão ser melhor aplicados ao outro do que a mim. Não se podem confundir livros com vida privada. Deus sabe os problemas que tive aquando da publicação de Os Cus de Judas, do Fado Alexandrino e do Tratado das Paixões da Alma, entre outros livros. Para não falar da celeuma política que o livro As Naus provocou e que até me colocou sob grande perigo na altura. Não sou historiador, os meus livros são romances, e tudo o que escrevo passa pela verdade da ficção. Qualquer outra interpretação é abusiva. Começo a estar cansado de constantes invasões à minha vida privada e das más interpretações do que escrevo ou digo."

domingo, 22 de agosto de 2010

...«Tomar esteve à altura da obra do António Lobo Antunes mas ele não esteve à altura de Tomar», militares reformados ameaçam «ir ao focinho» de António Lobo Antunes ...

"O escritor António Lobo Antunes faltou este sábado a uma iniciativa onde estava prevista a sua presença, alegando «razões de segurança» depois de ter sido publicamente ameaçado de violência física por um grupo de militares reformados, explicou fonte da organização.
Segundo Manuel Faria, vice-presidente executivo da entidade de Turismo de Lisboa e Vale do Tejo e um dos promotores do iniciativa, o escritor cancelou hoje a sua vinda a Tomar onde estava previsto passar um fim-de-semana de férias e estar presente hoje à noite numa conversa com leitores num café da cidade.
Lobo Antunes terá justificado a ausência com o facto de temer pela sua segurança após ter lido hoje uma notícia do semanário Expresso em que o referido grupo de oficiais reformados admite «dar um par de murros em público» e «ir ao focinho» do escritor.
Na notícia do Expresso, os ex-militares acusam Lobo Antunes de ter difamado e injuriado as forças militares num parágrafo de uma entrevista publicada no livro «Uma Longa Conversa com António Lobo Antunes», da autoria do jornalista João Céu e Silva.
Nesta entrevista, Lobo Antunes fala do número de baixas mortais no seu batalhão na guerra colonial em África e da forma como os soldados tentavam transferir-se para zonas de combate mais calmas.
Segundo afirmam ao Expresso, estes militares reformados querem processar o escritor e negam as referidas baixas em combate e o referido método de transferência dos soldados para zonas de guerra mais calmas.
Lobo Antunes e a sua editora recusaram comentar esta notícia do Expresso.
José Ribeiro, amigo do escritor e membro da Academia Pedro Hispano - da qual Lobo Antunes também faz parte -, interveio nesta iniciativa em Tomar e criticou o escritor por este ter faltado a este compromisso. «Tomar esteve à altura da obra do António Lobo Antunes mas ele não esteve à altura de Tomar», disse José Ribeiro."

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

...blogosfera... "os burros intelegentes"...

"BE propõe criar banco de terras público para prevenir incêndios. Gosto do conceito. Devemos dar a terra a quem a trabalha. Tipo movimento dos sem terra brasileiro. Grande conceito. Não fosse o pequeniníssimo pormenor de não haver quem trabalhe a terra. Mas isso é só um detalhe. Não deixem que a realidade atrapalhe o caminho para a colectivização.
BE propõe criar banco de terras público para prevenir incêndios. Para ver se eu percebi. O estado dá terras. Quando dá terras as pessoas vão trabalhar as terras. E como há pessoas a trabalhar as terras há couves. E como há couves não há incêndios. Faz sentido. Até porque as pessoas tinham terras. Trabalhar as terras não dava dinheiro. Por isso deixaram as terras e foram para as cidades. Como foram para as cidades deixaram as terras ao abandono. Como estavam ao abandono não havia couves. Como não havia couves há incêndios. E como há incêndios o Bloco propõe dar terras que já são das pessoas. Certo? Então como é que vamos convencer as pessoas a deixarem as cidades e a voltarem para o campo? Adoptamos o método Khmer? Os campos, de facto, ficaram cheios." aqui 

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

...história da sexualidade... michel foucault...

Foucault denuncia, nesta obra, a relação entre a repressão sexual actual com a hipocrisia associada ao   poder, ao "prazer em exercer um poder que questiona, fiscaliza, espreita, espia, investiga, apalpa, revela; prazer de escapar a esse poder. Poder que se deixa invadir pelo prazer que persegue - poder que se afirma no prazer de mostrar-se, de escandalizar, de resistir." Foucault constrói uma nova hipótese acerca da sexualidade humana, segundo a qual esta não deve ser concebida como um dado da natureza que o poder tenta reprimir. Deve, sim, ser encarada como produto do encadeamento da estimulação dos corpos, da intensificação dos prazeres, da incitação ao discurso, da formação dos conhecimentos, do reforço dos controles e das resistências.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

domingo, 8 de agosto de 2010

...é que um gaijo fica confuso...

DOIS MILITANTES DO BLOCO DE ESQUERDA DE VIZELA LEVARAM UMA REPRIMENDA, SOB A FORMA DE ADVERTÊNCIA, DA MESA NACIONAL DESSE PARTIDOZECO QUE SE CHAMA BLOCO DE ESQUERDA POR DEVOLVEREM AS DELARAÇÕES DE CANDIDATURA A 54 CANDIDATOS QUE EXPRESSARAM A VONTADE DE DESISTIR DESTA, DEVIDO AO FACTO DE PEDRO SOARES QUERER IMPINGIR OS CANDIDATOS... A COMISSÃO DE INQUÉRITO ACHA QUE ESSAS DECLARAÇÕES JÁ PERTENCIAM AO BLOCO.CITO:
"A Comissão de Inquérito considera que as declarações de aceitação de candidaturas autárquicas não são um texto alheio ao BE. Tais documentos não são uma declaração individual e unilateral da vontade do seu subscritor, antes representam o início dum compromisso comum de intervenção política local, susceptível, como é óbvio, de cessar pela vontade duma parte. Pelo que discordamos do entendimento dos inquiridos sobre a “pertença” de tais declarações unicamente aos seus signatários."

OS ARGUIDOS ACHAM QUE PELO CONTRÁRIO:
"Pelo aderente nº 364 – José Manuel Faria foi referida, a título de declaração prévia, a sua discordância pela presença, na Comissão de Inquérito, de António Lima, de Braga e que foi candidato à Câmara e Assembleia Municipal de Braga. Sobre a matéria em apreciação, a alegada retenção de declarações de aceitação de candidatura devidamente preenchidas e assinadas, é sua opinião que tais declarações de aceitação de candidatura só são pertença do BE após entrega ao respectivo mandatário. Assim sendo, não houve qualquer retenção das referidas declarações já que estas ainda não tinham sido entregues ao mandatário da lista, logo não estavam ainda no domínio do BE."
Mais explicou que no dia 23 de Julho de 2009 tinha ocorrido uma reunião da Comissão Promotora da candidatura (que incluía aderentes do BE e 5 independentes) com o mandatário Duarte Ribeiro, Pedro Soares, coordenador nacional autárquico e Custódio Braga do secretariado da distrital de Braga, onde ficou acordada a indicação dos dez primeiros nomes à Câmara e Assembleia Municipal bem como a data de 8 de Agosto pelas 17,30 horas para apresentação das listas à imprensa. Sucedeu então que a aderente Sandra Manuela Ferreira da Silva, que constava como nº 2 na lista à Câmara Municipal de Vizela, foi surpreendida pela posição expressa pelos camaradas Custódio e Pedro Soares que defendiam que o nº 2 da lista fosse o camarada Paulo Monteiro, pelo que a Sandra Silva de imediato renunciou às suas candidaturas à Assembleia de Freguesia de Infias e à Câmara Municipal de Vizela. Como grande parte das pessoas (54) que tinham subscrito declarações de aceitação de candidatura eram suas conhecidas, também acompanharam a Sandra Silva na renúncia, até porque só tinham aceite ser candidatos devido à ligação e à confiança pessoal que depositavam na Sandra Silva.
Por isso, os 54 deram a conhecer dois dias depois, em 10 de Agosto de 2009, em conferência de imprensa, um documento (aliás mostrado à comissão de inquérito) onde manifestavam a sua renúncia às candidaturas autárquicas, tendo-lhes sido devolvidas, nessa mesma data, 10 de Agosto, as declarações de aceitação de candidatura que previamente tinham assinado e que não tinham sido ainda entregues ao mandatário das listas autárquicas. A razão para a entrega das declarações de candidatura aos respectivos subscritores, entretanto renunciantes, foi a de que tais declarações poderiam ser usadas indevidamente pelo mandatário Duarte Ribeiro."
E AGORA ALGO DE VERDADEIRAMENTE INSÓLITO, O PRÓPRIO PEDRO SOARES, NO PAPEL DE ACUSADOR, QUE TENTOU IMPINGIR OS CANDIDATOS (MAS ISSO NÃO É NADA DE NOVO PARA QUEM CONHECE COMO FUNCIONA O BLOCO) CONCORDA COM O JOSÉ MANUEL FARIA EM DECLARAÇÕES AO DN DE 10 DE AGOSTO DE 2009. ORA VEJAM: OU SERÁ QUE LI MAL?????
"A concelhia de Vizela não aceita que lhe impinjam candidatos", referiu José Manuel Faria, responsável pelo Bloco de Esquerda (BE) em Vizela.
O militante do BE e deputado na assembleia municipal faz parte das 54 pessoas que, em abaixo-assinado, divulgado hoje, resignam aos lugares que ocupavam nas listas à câmara, à assembleia municipal e a cinco das sete freguesias que compõem o concelho.
O grupo de militantes e apoiantes do Bloco acusa a distrital de Braga de "congeminar um complot no sentido de propor alterações ao ordenamento da lista à câmara".
"Houve um trabalho árduo de meses que foi posto em causa com a obrigatoriedade de colocar na lista pessoas que em nada trabalharam e em nada dignificam o Bloco de Esquerda", salientou José Manuel Faria.
Pedro Soares, coordenador nacional do Bloco de Esquerda para as autárquicas, nega qualquer "imposição" de nomes.
"Em Vizela ainda não há nenhuma lista e como não há nenhuma lista, não pode ter havido alterações", frisou.
"No Bloco de Esquerda, todas as listas têm que ser ratificadas, primeiramente, em plenário concelhio e esse plenário só está marcado para a próxima quinta-feira. Portanto, sem essa ratificação, mão pode haver qualquer lista", disse Pedro Soares.
As 54 pessoas que renunciaram à candidatura têm outro entendimento.
"A apresentação das listas estava marcada para o dia oito de Agosto e foi cancelada à ultima hora, não por não estar ratificada pela concelhia do Bloco em Vizela, mas por incluir o nome de algumas pessoas que, pelos vistos, querem ser candidatos", esclareceu José Manuel Faria.
"No BE a democracia funciona e todas as decisões têm que ser ratificadas em plenário. Até haver ratificação dos nomes, não há listas", finalizou Pedro Soares.

...toma... dezassete taças...

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

...hoje passei no museu da electricidade...

A Fundação EDP associa-se às comemorações do Centenário da República com a exposição internacional POVOpeople. A pergunta, «O que é o povo?» serviu de linha orientadora a esta exposição que propõe ao público/povo de hoje várias respostas possíveis através de uma nova reflexão visual, estética, simbólica, sociológica e política sobre a génese e a evolução do conceito de POVO.
Resumo: o povo é sereno; o povo é quem mais ordena; ganharás o pão com o suor do teu rosto; casas do povo; se isto não é o povo, onde é que está o povo? ; queres fiado, toma… são alguns dos slogans e dizeres que grafitam os espaços do Museu da Electricidade, nos quais se exploram arquivos de som e de imagem, obras de pintura, escultura, desenho, fotografia, vídeo e cinema, textos literários, memórias e testemunhos populares e eruditos. Através do recurso a novas tecnologias, a exposição assume as características de uma «instalação» em permanente interactividade com o PÚBLICO – POVO. A Kameraphoto, colectivo de fotógrafos independentes, foi convidada a criar um mural dinâmico de fotografia.
POVOpeople oferece enquadramento para um projecto editorial, em parceria com a Tinta da China Edições, que se traduz no lançamento de três livros:
– Como se faz um povo Ensaios originais de investigadores portugueses acerca das práticas e representações populares, com apresentação de José Neves.
– A política dos muitos Antologia de textos teóricos de autores universais sobre os temas dos sujeitos colectivos (do POVO às «massas», entre outros).
– O que é o povo? Respondem… depoimentos de artistas, políticos, empresários, gestores, jornalistas e desportistas a propósito do conceito de POVO.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

...interditem a síntese dos contrários...

Uma exposição que apresenta trabalhos do artista português Vasco Araújo (Lisboa, 1975) e do artista venezuelano Javier Téllez (Valencia,1969). Vida, morte, drama, ópera, fado percorrem a exposição de um lado ao outro: há um excesso, há um mais que a vida em todas estas obras.
Nesta mostra são fundamentais as referências à história do cinema, e estamos perante uma dimensão psicológico-psiquiátrica que atravessa igualmente as obras dos dois artistas.
Mais que a Vida integra o programa de 2010 – Ano da Saúde Mental. No âmbito da exposição, decorre às 4ªas feiras na Sala Polivalente do CAM, com o apoio do Serviço de Saúde, o ciclo de cinema “13 x Mais que a Vida – Cinema e Mente” comissariado por João Mário Grilo.

...vai acabar tudo à chumbada...

"O Expresso, o jornal, traz à estampa umas atordoadas de mais um ministro INCOMPETENTE. Desta vez, coube as sortes à ministra da educação. Uma tal de Alçada que, tem mais prazer em escrever histórias plagiadas, pois aumenta-lhe o pecúlio na conta bancária do que ser ministra.
Que maçada, isto de ser ministra!!!
Deixem-na com o seu plano de leitura e com os «seus» livrinhos para atrasados mentais.
Já agora: quanto pagamos para o tal projecto acéfalo do LER +???
Já foi feita a avaliação do mesmo???
Quando o será??
Pois.... em frente!!!
Vem agora a tiazinha de Cascais, dizer, que maçada falar para os jornais, que os «chumbos» são para acabar!!! A tiazinha estará a fazer confusão com as datas?? É que a época da caça ainda não acabou, sabia??? E se a mariazinha quer acabar com os chumbos mande fechar as lojas da especialidade querida!!! Agora falar em chumbos isso não é de menina da linha, filha!!!
Que disparate, que disparate filha.
Fale antes dos scones e do chá da tia Zezinha!!!
A menina tem cada lembrança!!!
Toda a gente sabe, pelos vistos só a tiazinha é que não entendeu, que já ninguém reprova no ensino obrigatório.
Reprova, Não transita!!! Fica retido!!! percebeu linda!!!
Essa inteligência querida!!!Uma aulas de semiótica não lhe faziam nada mal, acompanhadas com um creme de aveia ou de baba de caracol!!!
Depois, a «rica» a institucionalizar a reprovação só está a ajudar o «tio» Sócrates a descredibilizar a escolinha pública.
Percebeu, querida!!!
Que bom a menina não ter percebido nada.
É só uma aventura, percebeu???
Um sodadinho de.....chumbo!!!
Uma aventura no país do «tio» Sócrates!!!!"
extraído de CP

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

...da igreja para o shopping center...

"É domingo, dia de missa na Igreja da cidade, e os sinos tocam para anunciar o sermão do padre ao seu rebanho servil. Soam as badaladas e vê-se uma ou outra pessoa entrar dentro desse local de culto a Cristo. Mas entramos dentro da Igreja quando o padre já se apresta para começar a sua missa e vêem-se apenas pouco mais de uma dezena de crentes. Do outro lado da cidade autocarros e automóveis transportam os crentes de uma religião cada vez mais em expansão para os seus lugares de culto. São milhares que se apressam a entrar nesses novos lugares megalómanos de oração para ouvirem a missa dos saldos. A morte de Deus anunciou a era do Capital, o novo Deus real.
A religião dos cristãos, nas suas diversas formas e dimensões, pregava acima de tudo uma salvação, a das almas que estariam condenadas a cair nas profundezas do Inferno, ao lado de outros pecadores, se não obtivessem uma salvação terrena. O sacrifício terreno era assim a única forma de obter uma pós-vida junto dos bemaventurados, daqueles que pagaram a sua pena em vida. O Reino dos Céus era assim a terra prometida, uma nova vida para além da morte para quem tivesse desprezado a vida na terra. À medida que esta religião se ia tornando decrépita muitos fanáticos foram descobrindo um novo culto, um culto que começou a ser erigido a partir do momento em que se começaram a produzir mercadorias em massa. Locais de culto foram construídos em diversos pontos do globo para converter os seus autóctones que, devido à sua grandeza e magnificência, os maravilharam. Estes locais começaram a nascer como cogumelos e os crentes nesta nova religião começaram a encontrar ali a sua salvação. Afinal não seria numa outra vida que esta seria encontrada. Um novo materialismo, alimentado por uma crença radical na ciência, cúpula intelectual desta religião em expansão, colocou completamente de parte qualquer possibilidade de uma vida para além desta.
Nada melhor então de que juntar ao materialismo crescente uma acumulação cada vez maior de mercadorias. A produção em massa vem assim satisfazer essa necessidade de acumulação supérflua, mas que cria um sorriso nas faces dos novos crentes. Nasce assim a religião do Capital com o seu novo local de culto, o Shopping Centre. Esvaziam-se as Igrejas, enchem-se esses centros de comércio.
O Reino dos Saldos não é algo de transcendental, é acessível a quem tenha um cartão de crédito. Não há a necessidad de haverem regras morais de conduta, nem restringimentos de qualquer tipo, basta um certificado de acreditação passado por uma qualquer instituição bancária para que se possa ter acesso a um imenso mar de produtos que farão o crente sentir-se satisfeito. Nesse reino terrestre, que se pode descobrir dentro dos locais de adoração ao Deus Capital, pode-se encontrar de tudo. Para os adeptos da vanidade, ou melhor dizendo da vaidade, encontram-se inúmeras lojas de roupa, sapatos, malas, cosméticos, tudo a preços bastante acessíveis para quem pode usar o cartão de crédito. Para os glutões existem inúmeras cadeias de fastfood sempre prontas a providenciar um menu completo acessível a qualquer bolso mais miserável. As calorias contidas nesses menus dariam para engordar o mais faminto dos humanos, e a um preço imbatível. É o reino da abundância. Para osmque não se suportam existem as lojas de telecomunicações, podendo assim estar sempre em contacto com outros que não se suportam, havendo assim uma alienação momentânea com vista a uma socialização que os faz esquecer o seu vazio existencial. Para adeptos da auto-lobotomia existem as lojas de videojogos e os cinemas. A mirada no ecrã, durante uma grande parcela do tempo diário, é um sucesso garantido. A actividade cerebral é reduzida ao mínimo, o tempo esvai-se, e a sensação de libertação do peso existencial vale o preço por ela paga.Existem também as agências de viagens prontas a vender uma fuga para os paraísos artificiais mais na moda. Também a cultura é vendida nestes locais de culto a um preço acessível. Nas montras expõem-se os novos best-sellers, literatura light que não obriga a uma cansativa actividade cerebral. O último grito da pop musical está também colocado nas prateleiras, a apregoar um romantismo infantil ligeiro digno de uma telenovela.
Outro produto que se vende nestes locais de culto é o tempo, o dos que nele trabalham aliado à sua mão-de-obra. Para que estes monumentos megalómanos possam existir há a necessidade de se empregar o labor dos escravos modernos que por um salário de miséria vendem o único produto pelo qual podem capitalizar, a sua força de trabalho. Ao capitalizarem essa força de trabalho também eles podem fazer o papel de crentes, gastando o seu mísero salário nos produtos à venda nos locais de culto onde se vendem. Para que tais centros de culto possam existir, para que possa haver produção em massa, explora-se meio mundo. Exploram-se recursos naturais, explora-se a vida animal, explora-se a mão-de-obra escrava. Destroem-se florestas, desertificam-se os campos e os mares, chacinam-se animais. A transformação dessa matéria bruta implica mais destruição, gases são emitidos diariamente não só nas fábricas onde são produzidas as mercadorias, mas também no transporte desses produtos através do globo. As suas implicações são catastróficas. Tudo para alimentar a necessidade sanguinária do Deus Capital, representado no globo terrestre por um grupo reduzido de corporações multinacionais com os seus afanados dirigentes à cabeça. E o rebanho continua a seguir os seus mandamentos dirigindo-se para os seus centros comerciais onde se comercializam os produtos da destruição planetária. Tal como sanguessugas, é de uma miséria humana que estes emissários do Deus Capital se alimentam, através de métodos alienantes de pressão social baseados em padrões de existência. A alienação do património de todos levou a uma construção de hierarquias com esse todo-poderoso Deus Capital no topo a ditar as suas regras e leis e seguido por uma horda de crentes que o veneram cada vez que satisfazem a sua miserável vida ao adquirirem um produto proporcionado por essa religião do Capital. A miséria humana, donde se alimentava a religião cristã, é a miséria humana donde se alimenta agora essa nova religião parasitária, que não se contentará até que consiga assimilar toda a vida neste planeta onde  existimos."
Pedro Morais, revista Húmus

...my dear mike ...you were so welcome...