quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

...ao abrigo do direito de resposta ao comentário de um anónimo no post anterior...


...anónimo não quis deixar acabar o ano sem lhe dar a honra imensa de publicar um comentário seu no meu blog... a persistência valeu-lhe esse prémio...
...sou ideologicamente materialista, nunca me apercebi que da masturbação viesse algum mal ao mundo, mas, peço então desculpa se as minhas masturbações públicas congestionam o seu ego beato e deletério, o anónimo deve ser mais adepto de uma masturbação mais intíma,quiçá, o jacto do bidé, com a vantagem de não criar calo nos dedos:) :) :) quiça, dentro da solenidade de uma igreja na fluida fantasia do "ajoelhar"...
...nas minhas aulas a liberdade é sempre nua, viscosa e "pornográfica",não se ateiam fogueiras onde a lucidez se queima viva...
...ainda bem que na minha consaguinidade não existem capadores:):):) isso é que não!!!
... como acredito ser o anónimo, o mais atento das minhas masturbações...um bom ano para si...como diz o capinteira:"continue a ladrar à beira da minha estrada!!!" ana

... a minha pérola política de dois mil e nove... discurso de vinte e cinco de abril na assembleia municipal da covilhã...

Este foi o texto... pus lá tudo o que senti para a ocasião, sem ignorar que todas as palavras me cairam das mãos... sem enganos na minha própria pessoa, "anarquista na teoria e anarquista na prática", porque hei-de vir então aqui ser humilde?  Ganhei, no entanto, o reparo de uma das chefias do bloco de esquerda: "não gosto que escrevas de forma erudita", mas... já não estava debaixo do seio da  canga de nenhuma lógica tribal (partido político) e sou irreparavelmente independente quando as sílabas vertem em meu nome... todo meu provincianismo permite-me ter algum orgulho no que escrevo bem:)


“Muitas vão suspender, mas eu vou aguentar nem que tenha de pedir para ir trabalhar, se quiserem, despeçam-me'', cito a vivência e o testemunho de Anabela Vicente. “É muito complicado querer dar de comer aos nossos filhos e não termos', cito a vivência e o testemunho de Lídia Clemente, vivências paradigmáticas da ausência de pão, da ausência de terra, da ausência de quotidiano… Testemunhos paradigmáticos do cortejo condenado dos oitocentos trabalhadores, na sua maioria mulheres, com salários em atraso nas confecções da cova da beira. Em cima de suas cabeças conta é a certeza da pena do tombar no olho da rua. No espectro das “fábricas de morte” paira a condenação ao dia da refeição e não à refeição do dia.
Dos representantes da classe dirigente local, o bem nutrido registo infame da ataraxia; a acústica da resposta ignóbil do desprezo, da indiferença, o resgate da absolvição subversiva. O descarado, mas não novo, eleitoralismo da refeição em troca de um euro, a formula perversa de mobilizar.
Mas de que lado estão estes senhores neste processo grotesco?
O monolítico poder local compromete-se contra tudo isto, burla a verdade, porque o benefício do primeiro milho é sempre engordar a galinha do vizinho. Compromete-se contra o trabalho de que cada mulher e homem são depositários. Contra a sua mais básica necessidade. Compromete-se contra a marca da sua dignidade – o trabalho - usurpando o seu poder à auto-determinação.
O monolítico poder local, que se deveria comprometer com o desenvolvimento de toda uma população, forja na economia doméstica “virtuosas” dívidas de 88 milhões de euros... oitenta e oito milhões de euros de “virtude” … afinal os tempos também deram uns retoques no próprio conceito de “virtude”. Esta dissimulada economia doméstica, completamente falida e incoerente, “virtuosamente” estéril, escandalosa na sabotagem nos sonhos de vida e de futuro de um povo.
Dos cavalheiros representantes da classe dirigente nacional a impostura, tacitamente velada, do reconhecimento da inevitabilidade do desemprego, 484.131mil inscritos no Instituto do Emprego durante o mês de Março em Portugal, na sua grande maioria mulheres, e a Covilhã acompanha este número na sua percentagem máxima.
Os cavalheiros representantes da classe dirigente nacional administram o país em seu nome, dissimulam a necessidade de se manterem no seio da impostura, longos passos se dão para alimentar banqueiros, estas figuras paradigmáticas, que na sua autópsia revelaram nas entranhas a absolvição da má gestão, do roubo descarado, dos milhões da corrupção.
Engenheira é vassalagem da classe dirigente nos fundos, dos nossos impostos, que debaixo da sua albarda, nos recolhe e lhes dispensa em linha recta.
Engenheira é a vassalagem, que se transforma em nada, que amortece na conjuntura internacional a falta de responsabilidade, o desnorte da má governação.
Engenheira é a corrida desenfreada para o auditório do poder que descarta no seu catecismo a clave da miséria económica e social, dos magros salários, suavizada nos arrebates eufemistas das rasteiras da propaganda, mais um penalty que afinal não era penalty.
Engenheira é a pestilenta incompreensão de como a proletária autonomia e a proletária vontade de vencer é forte e honesta.
Tombam nas ruas de Abril as reivindicações pelo trabalho, tombam no arbítrio da liberdade.
Duzentos postos de trabalho em risco no Tortosendo. Estão em dívida 40 por cento do salário de Fevereiro e o salário de Março, bem como metade do subsídio de férias e do subsídio de Natal de 2008.
Foi este povo trabalhador que teceu e transformou pelo seu trabalho a operária liberdade, e hoje, nas ruas de Abril, já se cunha a sua nostalgia póstuma!
Mas este povo é manso!
Tarda na insurreição operária!
Tarda a guerrilheira reivindicação do trabalho como um direito!
Tarda a desabrida vontade de tomar o aeroporto e ocupar a rádio!
Há qualquer coisa de bafiento no epicentro da esfinge podre deste poder, que na nossa cidade determina o que vai acontecer, mestres nas piruetas e nos artifícios da circunstância e da pompa que em altitude se iluminam, adulados, venerados e bajulados por espantalhos. Podre poder automaticamente poderoso que se entranha e insiste no desenfreio do florescimento do mercado imobiliário, que vai-se lá saber porquê, esta insistência não corresponde à procura real de habitação na cidade. Vai-se lá saber porquê!
No reservado da soberania monolítica do poder local, onde se soltam gargalhadas, tiraniza-se ao exílio a identidade de uma cidade, abandonam-se centenas de casas na zona histórica da cidade. Bairros que fizeram história, agora territórios condenados, que anunciam, numa nova era de descontinuidade paradigmática, o fim da alma e a marca da dignidade. Investe-se na propaganda de “salvadores da urbe”, onde todos os compromissos assumidos com as gentes se transformam em menos que nada, neste universo partido mutila-se uma cidade ao serviço da vontade de clientelas. No escalpe da toponímia da cidade nascem elevadores de vã glória, as pontes de vã de eternidade, templos do vão consumismo, promessas vãs de felicidade.
A vida é bela e agradável, para os mesmos beneficiários de sempre, os privilegiados de classe.
Há qualquer coisa de bafiento no ar que aqui já não se consegue respirar, os ares da globalização, do desenvolvimento, das obras “extruturantes”, do cosmopolitismo saloio.
A diferença é expurgada nesta cidade, na política do pontapé, no repertório passional trauliteiro, carroceiro e calhoeiro, varre-se deste concelho quem olhe de esguelha o servilismo lacaio do regime. Escorraçam-se os legítimos opositores democráticos, censuram-se artistas e intelectuais opositores. Vinga esta cultura de patrocínio autárquico, atolam-se os inventores de novas formas de democracia, de novas armas consistentes de libertação.
O medo faz caminho, o medo de não arranjar e o medo de perder o emprego, o medo de serem substituídos por outros mais “empenhados” e mais “praticantes”, o medo de não conseguir a licença da Câmara, o medo da marginalização, o medo das garras disformes da justiça… o medo de perder a cunha para o lugar num lar de idosos… o medo… o medo… o medo de quem não joga com as cartas viradas para cima. O medo de aplaudir quem se compromete e de quem não amocha, o medo de aplaudir o cidadão da esfera livre, denunciado e serpenteado, pela ignorância do regime, como nocivo para os “crentes”. A ignorante nostalgia da dominação do passado.
Mas este povo é manso!
Tarda a guerrilheira dignidade de abrir livros proibidos!
Tarda a guerrilheira vontade de atravessar a rua!
Tarda o relâmpago da liberdade!
“A DEMOCRACIA É UMA POTÊNCIA E NÃO UMA FORMA”
Começam já a travar-se por toda a parte, neste mundo fora, novas lutas por novas vidas… vidas alternativas … irrompem, por vezes de forma sofrida, novas forças criadoras… alternativas formas de mobilização… novas formas de autonomia além desta sanguessuga forma de fazer trilhos na história… novas formas, não de mera resistência, mas capazes de construir novas moradas insubmissas ao império do dinheiro… começam já a travar-se já por toda a parte, neste mundo fora, inversões de lógicas que arredaram o povo do direito a decidir o seu próprio destino… irrompem, por vezes de forma sofrida, novas formas criadoras… alternativas formas de dar lugar à consolidação da humanidade… novas formas de legitimar um poder alternativo, quando o actual está gasto...
“As cidades transformar-se-ão ao mesmo tempo grandes depósitos de humanidade cooperante e em locomotivas de circulação, residências temporárias e redes de distribuição de massa para a humanidade livre.”
Ana Maria de Jesus Monteiro

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

... on the road de jack kerouac...


DEZ TER 29 22H00
TMG - CAFÉ CONCERTO
MÚSICA / 4€ / 60M / M12
ON THE ROAD DE JACK KEROUAC
TÓ TRIPS E TIAGO GOMES
“On The Road” está baseado no livro homónimo de Jack Kerouac numa altura em que se assinala o 50º aniversário do seu lançamento. Este espectáculo não é mais que uma banda sonora para o livro criada por Tó Trips na guitarra e efeitos e por Tiago Gomes lendo excertos do livro, ambos acompanhados pelo vídeo-beat de Raquel Castro. Uma viagem por uma estrada perdida e infinita, a route 66, na América de todos os sonhos que aqui são todas as estradas do mundo: vias rápidas, estradas secundárias, deserto, cidades perdidas na noite e becos sem saída.

...eram dias de cem anos, rosnavam e mal mordiam...


"Foi apresentado e publicado há dias na Câmara Municipal de Penamacor este livro, "ERAM DIAS DE CEM ANOS rosnavam e mal mordiam", da autoria de JM Teixeira Filipe, um cidadão do mundo, que, após muitos trabalhos, canseiras e viagens, lançou âncora na Meimoa, onde reside, vive e medita.
Basta ler estas suas linhas para nos inteirarmos estar na presença de um personagem fascinante. Em escrita escorreita e seca leva-nos no tempo a entender o porquê de tanta coisa simples que esta vida sem alma vai apagando. São origens de nomes e tradições, detalhes circunstanciados do que eram os carros de bois, os teares, a sementeira, recolha e trabalho do linho, as romarias e feiras, as tragédias, os usos e os costumes de uma etnologia em aldeias e lugares do interior, historia de vilas e cidades, o que foi a tragédia da emigração e as suas sequelas e, por fim, notas e frescos eivados de sinceridade sobre a vida da segunda geração por essa Europa afora. Num rasgo de poesia conta o sonho de um amor que se perdeu nos Alpes num voo cego a nada.
Há assim, neste livro, muito saber e detalhes que deveriam ser inscritos na matéria curricular e ensinado nas escolas a professores e alunos. Se assim não for, muito deste mesmo saber será levado também ele com o sol marralheiro de um incerto ocaso.
Se encontrar esta obra nas lojas - o que em minha opinião será encontrar uma agulha num palheiro - não hesite: compre-o. Não se irá arrepender. Se não, peça-o à CM de Penamacor ou à Editora "Cidade Berço" de Guimarães.
Eu, na primeira oportunidade, darei um abraço de parabéns ao Autor que tão bem enxerga neste mundo em que há tantos cegos."
Com amizade
João Sena

... make love for peace... dance for peace...

... amesterdão... girls... here we go....


domingo, 27 de dezembro de 2009

...sherlock van damme...


Hoje saí do  cinema cheia de vontade de escrever no livro de reclamações só e apenas "isto não se faz"... não ao inquilino mais famoso do 221 B de Baker Street, do raciocínio analítico, dos seus métodos singulares de investigação, onde a chave de explicação do crime se encontra no detalhe mais vulgar e aparentemente insignificante, nada... apenas pancadaria e mais pancadaria... sangue a jorrar por todos os lados...
Mudados os nomes dos personagens e o do filme, seria impossível, a um leitor dos contos mais famosos de Sir Arthur Conan Doyle, reconhecer qualquer semelhança com qualquer deles.

...re...re...re...re...ler...



" América foi o primeiro romance escrito por Kafka e um dos vários inacabados. Escrito em 1910 e apenas publicado em 1927 após a sua morte pelo seu grande amigo Max Brod, deixa muitas pontas soltas e muitas interrogações sobre o verdadeiro destino que o autor teria pensado para o seu protagonista. Possivelmente, é com este texto que Kafka pela primeira vez traça, o que vai ser ao longo da sua obra, o corpo da sua literatura: a exploração do universo interior do ser humano, a alienação e a perseguição, a atenção ao pormenor que transfigura a realidade numa verdade inverosímil. O protagonista desta aventura é Karl Rossman, um jovem de dezasseis anos que se vê obrigado pela família a emigrar para a América, consequência da humilhação sofrida por esta depois de ser seduzido pela criada que fica grávida. Na época em que o texto foi escrito, ocorria uma das maiores emigrações para este país, na esperança de alcançarem o tão afamado sonho americano. Este facto vai condicionar todo o discurso do texto, sendo-nos revelado a visão que o autor tinha, à época, deste país. No entanto longe se pense que Kafka nos apresenta a esperada visão optimista e promissora da América. Pelo contrário, e facto que torna o livro tão actual, a América revelada pelo autor apresentasse-nos como sendo opressora conforme podemos ver com o seu “jogo”, intencional ou não, com a estátua da liberdade. Retrata uma burguesia arrogante que se eleva do resto das classes, como por exemplo a operária.
Karl Rossman é um personagem simples e ingénuo. Pela sua inocência, é conduzido pelas personagens com que se cruza, sem grande resistência, sendo elas mesmas que nos vão revelando a personalidade do protagonista. Pensa sempre primeiro nos seus companheiros de viagem em vez de si próprio, como nos revelam os longos pensamentos introspectivos que consequentemente o impede de tomar decisões. Cada vez que Karl se esforça para subir na escala social ou para ajudar os seus companheiros a sociedade nega a sua vontade e subverte as suas intenções, tornando a sua situação ainda pior do que antes. Ironicamente, como se pode esperar nos romances de Kafka, é demitido por ajudar uma pessoa que ele ainda chama de amigo.
Embora Kafka nunca tenha visitado a América, adquiriu conhecimentos de fontes secundárias: leu livros de viagens sobre a américa, assistiu a palestras, recolheu materiais impressos, e falou com emigrantes, como revela EL Doctorow no prefácio do livro.
Em Amerika, Franz Kafka realmente satiriza ideais americanos por absurdamente retratar essa terra de oportunidades e traçar o destino irónico de Karl Rossman, enquanto ele luta para alcançar o sonho americano.
Através de seu retrato da América, Kafka rompe a concepção idealista desta terra de liberdade e, ao invés concebe uma imagem da América como uma terra cheia de assustadores malefícios sociais. Fornece uma crítica sombria da América que constrói a liberdade como uma aparição falsa."

sábado, 26 de dezembro de 2009

...my special one...


José Mourinho deu uma entrevista ao PÚBLICO onde fala dos dias conturbados que vive em Itália, mas também da sua opinião sobre jogadores naturalizados na selecção portuguesa ou da relação que muitos adeptos do FC Porto mantêm com ele.“Dou o peito às balas e sempre darei. Nasci assim no futebol e vou morrer assim. Mas também lhe confesso que sabe bem, de vez em quando, ver aparecer alguém com um colete à prova de balas! Dois anos no FC Porto habituaram-me mal...”. A frase é de José Mourinho e faz parte desta entrevista, que o técnico do Inter de Milão concedeu ao PÚBLICO por e-mail. O mote principal foram as críticas de que Mourinho tem sido alvo nos últimos tempos na imprensa italiana, que ainda há dias o acusava de ter insultado e agredido um jornalista. Mourinho explicou o incidente, pediu desculpa, mas garante que o seu comportamento tem sempre um objectivo: “A defesa dos interesses do meu clube, sem nunca me preocupar com o que dele resulta para a minha imagem”. De resto, desvaloriza as informações de que a sua continuidade à frente do campeão italiano estará dependente da conquista da Liga dos Campeões. “O meu lugar está sempre em perigo, porque treino sempre clubes que muitos querem treinar...”. aqui

...medeia...


"Uma peça muito bem escrita e de agradável leitura. Convém não esquecer que MC é um autor com uma vasta e multifacetada obra. Já foi galardoado com vários prémios dos quais se destacam o “Prémio Pessoa” e o “Prémio Vergílio Ferreira”.

Este texto dramático fala de “Uma actriz que arrasta, ao longo da vida, a obsessão de representar a Medeia, de Eurípedes, e empolgada pela ânsia que se torna matéria da alma, precipita na morte dos que a rodeiam o seu próprio e irredimível aniquilamento”. Como se pode ler na contracapa do livro “Uma célebre actriz de um país pequeno, vivendo o seu fim de carreira através de algumas dificuldades de memorização, contempla o fracasso do seu projecto de produzir a Medeia, de Eurípedes, que desde sempre a acompanhou. Também ela por isso, descomandada pela paixão, e à semelhança da heroína clássica, acabará por assassinar os próprios filhos”.
Na mitologia grega, Medeia era a filha de Eetes, rei da Cólquida (actual Geórgia), mulher de Jasão, de quem teve dois filhos. O rei de Corinto convence Jasão a trair a mulher, para se casar com a filha deste, Glauce. Medeia, ao saber da trama, decide vingar-se matando a rival e os filhos que tinha tido com o marido infiel.
Vale a pena ler e se possível assistir a esta peça."
(José Amaral)

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

... itália não pára ... para quando uma visita de sócrates?...



...chaim soutine...




...que fazer com tanta riqueza?...

"Segundo a revista Visão desta semana, o Produto Interno Bruto do planeta duplicou na década que agora, jornalisticamente, termina. Esta duplicação teria permitido qualquer um dos seguintes resultados:
1ª hipótese: duplicar em termos médios o rendimento dos habitantes do planeta, o que poderia ter sido feito:
a) na mesma percentagem para todos, mantendo o nível de desigualdade;
b) em percentagem maior para os mais pobres, diminuindo a desigualdade;
c) ou em percentagem maior para os mais ricos, aumentando a desigualdade.
2ª hipótese: diminuir para metade, também em termos médios, o tempo de trabalho dos habitantes do planeta
a) diminuindo os horários semanais,
b) alargando os períodos de férias,
c) baixando a idade de reforma
d) e/ou aumentando o desemprego
O que aconteceu na realidade não tem a ver com nenhuma inevitabilidade histórica ou demográfica nem com o funcionamento “normal” do mercado: foi um facto puramente político, isto é, teve tudo a ver com relações de força.
A história do “primeiro produzir, depois distribuir” é, como a última década provou, uma treta. Na próxima década o PIB do planeta pode duplicar de novo, ou triplicar, ou até decuplicar: se as relações de força não se alterarem, nada disto resultará em qualquer diminuição nas desigualdades ou em aumento dos salários, alargamento dos tempos livres ou melhoria da segurança no emprego.
Pelo contrário: os economistas do regime, as estrelas do empresariado e os comentadores encartados têm saturado os media com os mesmos avisos que já faziam há dez anos, e há vinte: é preciso moderar, ou até diminuir, os salários; é preciso e inevitável aumentar a idade de reforma e o tempo de trabalho semanal; é preciso e inevitável “flexibilizar” – ou seja, precarizar ainda mais – o emprego; é preciso e inevitável diminuir as prestações sociais e dificultar-lhes o acesso; é preciso e inevitável competir sem quaisquer barreiras com os países onde se fuzilam sindicalistas, como se esta competição alguma vez pudesse ser igual ou justa.
É preciso que na próxima década as relações de forças se alterem: é espantoso ver como as “inevitabilidades” se dissipam sempre que isto acontece. E não vão ser os partidos ditos socialistas, trabalhistas ou social-democratas que o farão a partir de cima: temos que ser nós, a partir de baixo. We, the People, como se escreve na Declaração de Independência Norte-Americana. O Povo Soberano: trabalhadores, consumidores, contribuintes, eleitores.
E para começar, podemos apoiar a greve dos funcionários dos hipermercados no próximo dia 24. O que está em causa nesta greve é muito simples: os patrões querem testar a eficácia do celerado Código de Trabalho que um sempre obediente Parlamento lhes ofereceu; os trabalhadores querem ter a liberdade de gerir as suas próprias vidas.
É possível que esta greve não tenha grande adesão: a relação de força não é favorável aos grevistas e muita gente, sem dúvida, irá trabalhar contrariada.
Mas contra os consumidores não têm os empresários qualquer poder de retaliação. Boicotemos os hipermercados e as cadeias de supermercados no dia 24. Se não nos for possível fazer as nossas compras noutro dia, façamo-las no comércio tradicional.
O pequeno comércio pode ajudar nesta luta. Para os patrões, será vantajoso manter os estabelecimentos abertos tanto tempo quanto possível. Para os empregados, trabalhar 12 ou 14 horas neste dia poderá ser tão vantajoso como não as trabalhar para os seus colegas das grandes superfícies; para os consumidores, serão desvantajosos os preços, mas vantajosa a variedade dos produtos disponíveis (numa mercearia fina da Baixa podemos comprar coisas que não há em nenhum hipermercado).
Não é preciso ser de esquerda, e muito menos de extrema-esquerda, para cumprir este dever cívico: basta saber um pouco de aritmética elementar, ter um mínimo de vocação para a liberdade e conservar um resquício de humanidade no coração. E não estar disposto a ser, daqui a dez anos, mais pobre num mundo mais rico".
http://www.legoergosum.blogspot.com/2009/12/que-fazer-com-tanta-riqueza.html

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

...blasted...

...aminetu haidar...

"Existe um território africano que ainda permanece colonizado. Está a sul de Marrocos, a escassos quilómetros da costa algarvia. É um país emerso na areia do deserto, um dos mais despovoados do mundo e chama-se Sahara Ocidental.
Dominados por Espanha até 1975, os sahauris proclamaram nesse ano a independência mas os Acordos de Madrid entregaram a determinação do país a Marrocos e à Mauritânia. Em 1979, a Mauritânia abdicou da sua parte do território mas o exército marroquino anexou o país e fixou-se no Sahara Ocidental até aos nossos dias. A guerra entre a movimento da Frente Polisario, que defende a auto-determinação da RASD (República Árabe Sahauri Democrática), e o reino marroquino, dura há 33 anos. Um conflito surdo e mudo que, ocasionalmente, faz soar minas e metralhadoras para despertar a atenção do mundo. A Polisario pede o referendo, Marrocos defende o direito de controle da região. Muitos especialistas em direito internacional traçam um paralelismo entre a anexação de Timor-Leste, pela Indonésia, e do Sahara Ocidental, por Marrocos.
No Sahara Ocidental foi construído um dos muros mais vergonhosos dos nossos tempos, com mais de 2000 quilómetros de betão ao longo de um campo de areia minada, dividindo os dois terços de território regidos por Marrocos da parcela libertada pela Polisario. Mais de 150 mil sahauris foram obrigados a esconder-se na Argélia e vivem hoje no campo de refugiados de Tindouf, considerado por António Guterres, Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, como um exemplo de organização em acampamentos de expatriados.
Este muro, minado de ponta a ponta e de ponta a ponta vigiado por milhares de soldados, mede 60 vezes mais do que o Muro de Berlim.
Por que será que há muros tão altissonantes e muros mudos?
Foi neste mundo hostil que Aminetu Haidar cresceu, em El Aaiún, capital do Sahara Ocidental. Haidar foi pela presa pela primeira vez em 1987, por se manifestar contra a ocupação marroquina durante uma visita da ONU ao país. Durante quatro anos, a sahauri foi torturada e humilhada nas celas sórdidas de El Aaiún, apelidada de “Prisão Negra” por todos aqueles que tiveram a má sorte de por lá passar. A activista passou quase quatro anos de olhos vendados, sozinha, foi brutalmente espancada e torturada para confessar a prática de acções de terrorismo que a condenassem a um julgamento legítimo. Em vão. Haidar é uma pacifista e não cedeu. Após a libertação, continuou a organizar manifestações pacíficas e greves de fome para alertar a opinião pública da repressão sentida pelos sahauris. Ao contrário de Xanana Gusmão, Haidar tem lutado sem armas. Isso já lhe valeu o cognome honorário de “Gandhi Sahauri” e vários reconhecimentos internacionais: Prémio Coragem Civil 2009 (EUA), Prémio de Direitos Humanos Robert F. Kennedy 2008 e Juan Maria Bandrés (Espanha).
Na passada sexta-feira, Haidar, casada e mãe de dois filhos, voltava para El Aaiún depois de uma conferência nas Canárias. À chegada ao aeroporto do deserto, recusou declarar-se marroquina. A polícia levou-a para uma pequena sala do aeroporto, desapropriou-a do passaporte e do telemóvel, disparou centenas de flashes em direcção aos seus olhos fragilizados por quatro anos de escuridão e expatriou-a para Lanzarote, Espanha. No domingo, Haidar entrou novamente em greve de fome. Quer voltar ao seu país mas está impedida de fazê-lo pelas autoridades espanholas e marroquinas. O caso já está a provocar uma onda de solidariedade por todo o mundo.
O problema dos sahauris, que se arrasta há mais de três décadas, não parece preocupar os diplomatas e políticos portugueses que tanto lutaram pela causa timorense. Pelo contrário, Portugal está inserido no programa de colaboração da União Europeia com Marrocos que permite aos arrastões europeus pescar nas ricas águas do Sahara Ocidental. Haidar continua a sacrificar-se para entregar aos sahauris o peixe das suas águas, para permitir aos refugiados de Tindouf o regresso à sua terra e para levar aos tribunais todos os torturadores dos activistas sahauris. O referendo já esteve iminente por duas vezes, mas Marrocos não aceitou os termos do sufrágio." Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental

...já não ligo a televisão há sete dias...


...o contrapasso...

"Bertran de Born, o poeta provençal do século XII, que leva numa mão a sua cabeça decepada, pegando nela pelos cabelos, e a faz balouçar como se fora uma lanterna – seguramente uma das imagens mais grotescas nesse catálogo de alucinações e tormentos em forma de livro. Dante era um acérrimo defensor da obra de Bertran de Born, mas condenou-o à danação eterna porque ele tinha aconselhado o príncipe Henrique a revoltar-se contra o seu pai, o rei Henrique II, e como de Born fomentou a separação entre pai e filho e os converteu em inimigos, o engenhoso castigo de Dante consistiu em separar o poeta de si mesmo. Daí o corpo decapitado que chora a sua sorte enquanto caminha pelas regiões infernais e que pergunta ao viajante florentino se haverá algum sofrimento mais terrível do que o seu."

...eólicas versus d. quixote...

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

...receita de bolo rei...


Ingredientes (para 6 pessoas):
200g açúcar
750g farinha
1 fava
30g fermento de padeiro
175g frutas cristalizadas
250g frutos secos
raspas de laranja q.b.
raspas limão q.b.
150g margarina
1 colher de sobremesa sal
4 ovos
1 dl. vinho do Porto

Preparação:
Depois de retirar as sementes que possam haver, pique as frutas e deixe-as a macerar com o vinho do Porto (deixe algumas inteiras para enfeitar). Dissolva o fermento de padeiro em 1 decilitro de água morna, junte a 1 chávena de farinha e deixe a levedar em lugar não muito frio durante 15m. Entretanto, bata a margarina, o açúcar, e as raspas de limão e laranja, junte os ovos (batendo um a um), e o fermento. Quando tudo estiver bem ligado adicione o resto da farinha e o sal. Amasse até que a massa fique elástica e macia e junte as frutas, misturando muito bem. Molde a massa numa bola, polvilhe com farinha e tape a massa com um pano, deixando levedar num ambiente não muito frio durante 5 horas. Depois da massa ter duplicado de volume, coloque-a sobre um tabuleiro e faça-lhe um buraco no meio. Introduza um brinde (bem embrulhado em papel vegetal) e 1 fava, e deixe levedar mais uma hora. Pincele o bolo com gema de ovo, enfeite com frutas cristalizadas inteiras, torrões de açúcar, pinhões, nozes, etc., e leve a cozer em forno bem quente. Depois de cozido pincele o bolo-rei com geleia diluída num pouco de água quente.

...depressa e bem...

...the brooklyn follies...

"Auster é um excelente contador de histórias e, em cada livro que escreve, não é nada usurário: conta-nos sempre muitas histórias.
Neste “The Brooklyn Follies”, o narrador, Nathan, é um ex-angariador de seguros, quase a fazer 60 anos, que se reforma antecipadamente por sofrer de cancro do pulmão, sem nunca ter fumado. Como Auster é fumador, percebe-se a ironia. Nat conta-nos inúmeras histórias, ao longo das quase trezentas páginas deste livro: a sua própria história, como ele acaba por vencer o cancro, como se entretém a escrever um livro, nas horas vagas, e como quase que morre de um ataque cardíaco, que afinal era uma esofagite; do seu sobrinho Tom, que tinha um brilhante futuro académico, mas acabou por se tornar taxista em Manhattan, depois, empregado num alfarrabista e, finalmente, milionário; da sua sobrinha Aurora, mãe solteira, com uma vida desregrada, cheia de namorados de ocasião, álcool e drogas, que acaba por aderir a uma daquelas igrejas cristãs fundamentalistas; de Harry, o alfarrabista, ex-presidiário, homossexual e sempre a arranjar esquemas para ganhar dinheiro com falsificações, etc, etc.
Quando acabamos de ler este livro, sentimo-nos bem, por dentro. A vida é, de facto, feita destas pequenas coisas: coisas boas e coisas más, que nos vão acontecendo; algumas delas, acontecem-nos porque nós fazemos por isso mas, a maior parte dessas coisas, simplesmente acontecem, por acaso. E o nosso papel, parece-me, é tentar domar esses acontecimentos e fazer com que eles, por mais estranhos e desesperados que sejam, acabem por nos favorecer.
"

sábado, 12 de dezembro de 2009


"Monterey, cidade de 26.000 habitantes na época, situada a 160 km ao sul de San Francisco, Califórnia, foi o local escolhido para o 1º mega festival de rock da história, inspirado nos festivais de jazz que aconteciam desde 1958 e que atraia nomes como Billie Holiday e Modern Jazz Quartet. Aconteceu entre os dias 16 a 18 de junho de 1967, em pleno Verão do Amor, e que atraiu um público de 200.000 pessoas, o dobro da expectativa, sendo que 60.000 pessoas compareceram ao festival, um dos principais eventos do Movimento Hippie, que teve seu pico no Festival de Woodstock, em 1969, na costa leste dos EUA.
1967 foi o ano em que o Rock Psicadélico dominou o mundo. E quando se fala em estética psicadélica, fala-se do Movimento Hippie. O auge desse estilo aconteceu com o Sgt. Pepper’s (Beatles, 1 de junho de 1967, 15 dias antes do início do festival), que foi o 1º álbum conceitual top 1 no mundo; o Pinky Floyd com “The Pipper at the Gates of Dawn” (1967); o Jefferson Airplane que lançou “Surrealistic Pillow” e ainda, Merry Pranksters, Jimi Hendrix Experience, Janis Joplin, The Doors. Essa fase musical está associada à cultura oriental, música clássica indiana, drogas (principalmente Cannabis e LSD), até Música Concreta (Kalr-Heinz Stockhausen). Esses componentes influenciaram Beatles (v. “Norwegian Wood”, para o Rubber Soul de 1965 e “Tomorrow Never Knows”, para o Revolver, de 1966), The Rolling Stones “(Paint it Black”, 1966), Frank Zappa and The Mothers of Invention (Freak Out), Pinky Floyd e Grateful Dead (Anthem of the Sun). Por falar em Grateful Dead, consta que quando ainda tinham um perfil folk, foram os primeiros a dar um passo na direcção da psicadelia com o nome Mother McCue’s Uptown Jug Champions, em San Francisco. Com influência de Beatles e Byrds, trocaram os instrumentos acústicos pelos elétricos em 1965, e mudaram o nome para Warlocks. Depois disso encontraram os Merry Pranksters e Ken Kesey, um ícone da geração hippie, em novembro de 1965 e em dezembro de 1965 mudaram o nome para Grateful Dead. A primeira banda a utilizar o termo ‘psicadélico’ na música pop foi também uma banda folk, The Holy Modal Rounders, em 1964, com “Hesitation Blues”. No rock, os primeiros foram a banda 13th Floor Elevators, e The Deep, com o álbum “Psychedelic Moods” em setembro de 1966. Depois vieram “Psychedelic Lollypop” do Blues Magoos, banda da Califórnia, e “The Psychedelic Sounds of 13th Floor Elevators”. Os primeiros a tocarem sob o efeito de LSD foram The Charlatans, banda de San Francisco, em 29 de junho de 1965, no Red Dog Saloon, em Virginia City, Nevada, USA. E os primeiros a mencionarem o LSD foram os The Fugs em “I Coudn’t Get High”. O primeiro single psicadélico foi “Sunshine Superman“ , do Donovan, também de 1965.
Barco e montanha, Peter Max
Apesar de que a maioria dos que entraram não tivesse convite, o festival teve uma arrecadação de US$ 200.000, destinados a instituições beneficientes. Contribuiu para isso o facto de que todos os artistas tocaram de graça, com excepção de Ravi Shankar, porque já havia sido contratado antes ainda de decidirem tornar o festival beneficiente. No espírito de paz e amor, tudo decorreu sem problemas durante os 3 dias que durou, com boa organização, comida e bebida e acomodações para todos. O The Monterey Internacional Pop Festival foi organizado por John Phillips, dos Mamas and the Papas, pelo produtor da banda Lou Adler e um quadro de organizadores formado por Mick Jaegger, Paul MacCartney, Brian Wilson, Donovan, Roger McGuinn (The Byrds), Paul Simon, Johnny Rivers, Alan Pariger e Derek Taylor. Um dos factores que garantiu o alto astral é que a segurança do evento foi feita por hippies da comunidade. Segundo McGuinn, a principal lembrança de Monterey “…foi a felicidade e a comunhão. Foram 3 dias incríveis, o público misturado com os artistas, além da música. Hendrix, Janis, Otis, meu Deus, foi incrível”. Na mesma entrevista diz que foi Paul MacCartney quem insistiu para que Hendrix tocasse no festival “vocês precisam vêlo ao vivo. Ele é selvagem”. Foi em Monterey que foram revelados Jimi Hendrix e Janis Joplin, a ainda desconhecida vocalista da banda Big Brother & The Holding Company. Tocaram, pela ordem :
16 de junho – The Association ; The Paupers (banda canadense) ; Lou Rawls ; Beverly ; Johnny Rivers; The Animals ; Simon & Garfunkel
17 de junho – Canned Heat ; Janis Joplin com Big Brother & The Holding Company ;
Country Joe & The Fish ; Al Kooper ; The Butterfield Blues Band ; The Eletric Flag ; QuickSilver Messenger Service ; Steve Muller Band ; Moby Grape ; Hugh Masekele ; The Byrds ; Laura Nyro ; Jefferson Airplane ; Booker T & The MG’s ; Otis Redding
18 de junho – Ravi Shankar ; The Blues Project ; Big Brother & The Holding Company ; Jimi Jendrix Experience ; The Group With No Name ; Buffalo Springfield ; Scott McKenzie ; The Who ; Grateful Dead ; The Mamas & The Papas. Jimi Hendrix
As grandes ausências obviamente foram os Beatles (havia rumores de que fariam apresentação relâmpago, logo desmentidos. Ainda estavam ressabiados por causa dos problemas enfrentados em 1966, por conta da reacção à entrevista do Lennon); os Rolling Stones (por causa da prisão por drogas do Mick Jagger e do Keith Richards), e Bob Dylan, que havia sofrido um acidente de moto. Também foram convidados e não compareceram, os Beach Boys, Captain Beefheart & The Magic Band, The Kinks, Donovan (ambos por não conseguirem vistos para entrar nos EUA) e o Cream, porque o Eric Clapton pretendia estrear o Cream em grande estilo. Mas mesmo com as performances arrasadoras de Hendrix com o Experience, quando ateou fogo na guitarra ( a 1ª guitarra – Fender Stratocaster 1965 – incendiada do J. Hendrix aconteceu em março de 1967, no Finsbury Astoria, Londres, e foi leiloada em 4 de setembro de 2008, em Londres, por US$ 470.000) ao final de “Wild Thing” (dos Troggs); do Who com a quebradeira de Pete Townshend; dos hinos “Somebody to Love” (Jefferson Airplane) e “San Francisco” (Scott McKenzie), consta que quem incendiou mesmo a platéia foi Otis Redding (que substituiu os Beach Boys a poucos dias do festival começar), com interpretações maravilhosas de “Shake”, “Satisfaction”, “Respect” e “Try a Little Tenderness”, acompanhado pelo lendário guitarrista Steve Cropper e a banda Booker T. & The MG’s. Como disse Brian Jones, dos Rolling Stones (abaixo, com Nico, do Velvet Underground, no Monterey Pop), em lágrimas, após a apresentação de Otis : “Nem por 1 milhão de dólares subo no palco depois de um show de Otis Redding”.
Poucos meses depois, em 10 de dezembro de 1967, Otis com apenas 26 anos, morreria em acidente aéreo, quando o avião em que viajava caiu no Wisconsin. E Brian, 2 anos depois, em condições misteriosas.
O clima do festival era tão bom, que o chefe de polícia de Monterey, Frank Marinello, dispensou metade do efetivo policial antes do evento terminar. Afirmou nunca ter visto multidão tão pacífica. De certa forma, Monterey foi o balão de ensaio de todos os festivais e megashows que aconteceram desde então, embora nenhum com sua magia, e também porque introduziu no programa possibilidades mais abrangentes ao convidar artistas de culturas desconhecidas e diferentes (Ravi Shankar, da India, que já havia gravado com os Beatles, e Hugh Masekela, da Africa do Sul), o que se chama hoje de “world music”. Uma boa definição do que ocorreu foi dada pelo jornalista Stephen K. Peeles, que disse : “Foi a colisão do ’stablishment’ corrupto com a contracultura emergente, sem feridos”. A frase impressa nos convites dizia : “Use flores, seja feliz, traga sinos. Teremos um festival”.
"

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

...invisível...la seducción de paul auster...

El punto álgido de la última novela de Paul Auster es una historia de amor prohibido. Si mi memoria no falla, el autor de El palacio de la Luna nunca se ha prodigado en descripciones tan eróticas como las que consuman el orgásmico incesto que está en el corazón de esta alambicada y estupenda Invisible. El mejor Auster es el que nos cuela los requiebros narrativos más implausibles con pasmosa naturalidad, a partir de una prosa cuidadosamente simple, que no complica gramáticas porque lo que pretende es que la sorpresa se vuelva verosímil. La crónica de un duelo riguroso, escrita desde una conmovedora empatía, hace creíble la ruptura del tabú que revoluciona toda la novela, y que se convertirá en la apuesta de un autor que llevaba demasiado tiempo repitiéndose.
No se equivoquen: no ha traicionado su mundo. Sabemos que a Auster le preocupa el papel del escritor --de sí mismo-- en el destino de los personajes. Por eso tiene predisposición a inventar protagonistas que son, de alguna manera, Austers posibles: Adam Walker hace un trabajo mecánico y desagradecido (clasifica libros en una biblioteca) como Auster fue marino en un petrolero; Walker podría haberse convertido en un novelista tan laureado como su creador si una noche no se hubiera encontrado con un chico negro que quiso atracarlo y no hubiera ido acompañado de un diablo vestido de blanco con la navaja fácil y la lengua bífida. No importa que ese atraco, como el incesto, pueda ser falso: lo importante es que Walker lo incorpora a su particular autobiografía porque sabe que todo lo que se cuenta, lo que se escribe, es al final ficción, y que solo la ficción puede redimirle.
Es inevitable que una novela que habla sobre el poder de la seducción --del mismo modo que Walker cae en las redes de una pareja de peligrosos diletantes, a la manera de El placer de los extraños de Ian McEwan, el lector se siente atrapado en las redes de Walker-- hable sobre literatura.
EL LECTOR, EN EL CENTRO Auster siempre ha tendido a la metaficción, y en este caso tiene la feliz ocurrencia de incluir al lector en el centro del relato, de hacerlo responsable de terminar la novela que Walker no ha podido acabar. Es una idea preciosa, que demuestra hasta qué punto lo que ha puesto en práctica Walker hasta entonces es la invención del yo, ese "invisible", esa ausencia que todo verdadero artista intenta plasmar en una "imagen-fantasma" que es huidiza y persistente al mismo tiempo.
Jim, uno de los narradores de Invisible, encuentra las notas que ha tomado Walker para terminar la tercera parte de su novela póstuma, titulada Otoño. "En las tres últimas páginas, el derrumbe es casi total", escribe. "Walker siente cómo se le va escapando la vida, y pese a todo sigue adelante como puede, sentándose frente al ordenador por última vez para llevar la historia a buen término". Auster coloca a un fantasma delante del teclado, un fantasma que se agarra al arte de narrar como si fuera el único combustible que le salva de la disolución final. Lo invisible es la muerte, y la muerte, en esta notable novela de Auster, escribe por nosotros.
aqui

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

...mahmoud darwish...


'IL NOUS MANQUAIT UN PRESENT'
Partons tels que nous sommes
Une dame libre
Et son ami fidèle
Partons ensemble dans deux chemins
Partons tels que nous sommes, unis
Et séparés
Rien ne nous fait mal
Ni le divorce des colombes
Ni le vent autour de l’église...
Ou le froid au creux des mains
Les amandiers n’ont pas assez fleuri
Souris et ils fleuriront encore
Entre les papillons de tes fossettes
Sous peu nous aurons un autre présent
Retourne-toi, tu ne verras
Qu’exil, derrière toi
Ta chambre à coucher
Le saule de la place
Le fleuve derrière les immeubles de verre
Et le café de nos rendez-vous... tous, tous
Prêts à se muer en exil
Soyons donc bons!
Partons, tels que nous sommes
Une femme libre
Et son ami fidèle
Partons tels que nous sommes
De Babylone, nous sommes venus
Avec le vent
Et vers Babylone, nous marchons...
Mon voyage n’était pas suffisant
Pour que, sur ma trace, les pins
Se changent en mots de louanges du lieu méridional
Nous sommes bons ici. Vent du nord
Notre vent, et méridionales, les chansons
Suis-je une autre toi?
Et toi, un autre moi?
Ce n’est pas mon chemin à la terre de ma liberté
Mon chemin à mon corps
Et moi, je ne serai pas moi à deux fois
Maintenant que mon passé a pris la place de mon lendemain
Que je me suis scindée en deux femmes
Je ne suis ni orientale
Ni occidentale
Et je ne suis pas un olivier qui a ombragé deux versets
Partons donc
"Pas de solutions collectives aux obsessions personnelles"
Il ne suffisait pas d’être ensemble
Pour être ensemble...
Il nous manquait un présent pour voir
Où nous étions. Partons tels que nous sommes
Une femme libre
Et son vieil ami
Partons ensemble dans deux chemins
Partons ensemble
Et soyons bons...

...babe ruth...

...elegia indo para o leito...


Vem, Dama, vem, que eu desafio a paz;
Até que eu lute, em luta o corpo jaz.
Como o inimigo diante do inimigo,
Canso-me de esperar se nunca brigo.
Solta esse cinto sideral que vela,
Céu cintilante, uma área ainda mais bela.
Desata esse corpete constelado,
Feito para deter o olhar ousado.
Entrega-te ao torpor que se derrama
De ti a mim, dizendo: hora da cama.
Tira o espartilho, quero descoberto
O que ele guarda, quieto, tão de perto.
O corpo que de tuas saias sai
É um campo em flor quando a sombra se esvai.
Arranca essa grinalda armada e deixa
Que cresça o diadema da madeixa.
Tira os sapatos e entra sem receio
Nesse templo de amor que é o nosso leito.
Os anjos mostram-se num branco véu
Aos homens. Tu, meu anjo, és como o céu
De Maomé. E se no branco têm contigo
Semelhança os espíritos, distingo:
O que o meu anjo branco põe não é
O cabelo mas sim a carne em pé.
Deixa que a minha mão errante adentre
Atrás, na frente, em cima, em baixo, entre.
Minha América! Minha terra à vista,
Reino de paz, se um homem só a conquista,
Minha mina preciosa, meu Império,
Feliz de quem penetre o teu mistério!
Liberto-me ficando teu escravo;
Onde cai minha mão, meu selo gravo.
Nudez total! Todo o prazer provém
De um corpo (como a alma sem corpo) sem
Vestes. As jóias que a mulher ostenta
São como as bolas de ouro de Atalanta:
O olho do tolo que uma gema inflama
Ilude-se com ela e perde a dama.
Como encadernação vistosa, feita
Para iletrados, a mulher se enfeita;
Mas ela é um livro místico e somente
A alguns (a que tal graça se consente)
É dado lê-la. Eu sou um que sabe;
Como se diante da parteira, abre-
Te: atira, sim, o linho branco fora,
Nem penitência nem decência agora.
Para ensinar-te eu me desnudo antes:
A coberta de um homem te é bastante.
John Donne

...to shoot an elephant"

"...afterwards, of course, there were endless discussions about the shooting of the elephant. The owner was furious, but he was only an Indian and could do nothing. Besides, legally I had done the right thing, for a mad elephant has to be killed, like a mad dog, if it's owner fails to control it".
George Orwell defined a way of witnessing Asia that still remains valid. "To shoot an elephant" is an eye witness account from The Gaza Strip. December 27th, 2008, Operation Cast Lead. 21 days shooting elephants. Urgent, insomniac, dirty, shuddering images from the only foreigners who decided and managed to stay embedded inside Gaza strip ambulances, with Palestinian civilians.
" aqui

... a ligeireza com que se despe o sentido da coisa...

Hoje recebi um mail da AMI-Covilhã a convidar para participar numa vigília com velas, para assinalar o dia de acção internacional acerca da alteração climática, invocando a mensagem : «O Mundo Quer Um Tratado A Valer» : um tratado suficientemente forte para afastar a perigosa alteração climática.
Muito bem, e a causa é NOBRE...
Porém no respectivo convite vinha a seguinte afirmação, como forma de mobilização das massas: "Precisamos de muita gente para que resulte. "Vai ser divertido, rápido e super fácil."
EH PÁ!!! Divertido? Rápido? Super fácil?... as palavras causam-me estranheza, assaltou-me a mente a ideia "anda daí que isto vai uma festa, até bebemos uns copos e conversamos com os amigos, só temos de ter uma vela acesa na mão!"...
Jamais me ocorreria o divertido, a sangue-frio e tendo consciência do que aqui está em causa, nem no desespero da mobilização, tantas outras palavras, mais adequadas, me ocorrem numa situação desta gravidade, mas pronto os tempos mudam e eu devo estar a ficar velha, a idade dificulta a adaptação... já há quem se divirta com estas coisas, EU NÃO!!!


terça-feira, 8 de dezembro de 2009

... o f.c.porto é assim... fantástico...

O FC Porto terminou em grande nível a fase de grupos da Liga dos Campeões, ao vencer sem problemas o Atlético de Madrid, por 0-3. Bruno Alves, Falcao e Hulk marcaram os golos do campeão português, que conseguiu a maior vitória de um visitante no Vicente Calderón para as competições europeias.
O grande triunfo do campeão português começou a ser construído muito cedo, aos dois minutos, quando Bruno Alves marcou de cabeça após um canto cobrado por Raul Meireles.
O segundo golo não demorou muito tempo: Falcao marcou o seu terceiro na Liga dos Campeões numa recarga a um remate de Fucile que Asenjo defendeu para a frente (14'). O 0-3 aconteceu na segunda parte (76'), graças a um grande remate de Hulk, que também fez o seu terceiro golo esta época na Europa.
O único ponto negativo do jogo para os portistas, que já estavam qualificados, foi a lesão de Maicon.
O FC Porto terminou a fase de grupos no segundo lugar, atrás do Chelsea, com 12 pontos (quatro vitórias e duas derrotas, ambas com o clube inglês). O Atlético de Madrid, apesar da derrota, segue para a Liga Europa, porque o APOEL não conseguiu vencer em Londres (2-2).

...não à tourada, sim à cultura...

O Partido Pelos Animais convida todos os Portugueses a assinarem esta petição contra a transmissão de touradas pela televisão pública - que usa o dinheiro dos contribuintes para divulgar a tortura e não a cultura e a favor da sua criminalização.
Pelo bem de todos os seres sencientes, incluindo o de quem, por ignorância, os faz sofrer.
Leia o texto da petição e assine-a
aqui.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

...diligências inúteis...

Hoje recebi outro comentário anónimo, ameaçador da minha integridade física, não sei se veio da direita ou da esquerda, mas agradeço desde já:) :) Como forma de agradecimento, deixo em testamento toda a minha obra poética ao agressor:) :) :) Bem como a minha com-pilação de cantigas do "en-grossà pila", que recentemente com-pilei neste blog:) :) :)

...já não existem mais bons argumentos. já tudo foi dito, pela esquerda e pela direita...

Yair, um vendedor de livros raros, escreve uma carta arrebatada a Miriam, uma mulher bela que ele vê numa reunião da escola. Assim começa entre eles uma relação amorosa assente apenas em palavras que despertará em ambos sentimentos há muito adormecidos. A correspondência trocada leva-os à sua mais recôndita intimidade, revelando um homem que oscila entre duas vidas e uma mulher que evita recordar o seu passado.David Grossman nasceu em Jerusalém, em 1954, onde estudou filosofia e teatro na Universidade Hebraica. Trabalhou durante vinte e cinco anos na Israel Radio, onde, com dez anos, deu os primeiros passos como colaborador em programas infanto-juvenis.Entre as suas obras, contam-se "Jogger" (contos, 1983), "Smile of the Lamb" (romance, 1983), "Ver: Amor" (romance, 1986; Campo das Letras, 2004), "Riki’s Playgroup" (drama, 1988), "Sleeping on a Wire" (ensaio, 1992) e "Once upon a Time You Were Two Monkeys" (infanto-juvenil, 1996).«Miriam,Não me conheces e eu próprio também não me conheço quando te escrevo. Tentei não escrever, há dois dias que tento, e agora não resisti.Vi-te anteontem na reunião de finalistas, tu não me viste porque eu estava de lado e provavelmente num ponto invisível para ti. Alguém disse o teu nome, uns jovens chamaram-te “professora”, estavas com um homem alto, aparentemente o teu marido. É tudo quanto sei de ti, e já é demais para mim. Não tenhas medo – não quero encontrar-te nem atrapalhar a tua vida normal, mas gostaria que aceitasses receber as minhas cartas. Ou seja – que pudesse falar-te de mim (de vez em quando) por carta. Não porque a minha vida tenha um interesse por aí além (não tem, e não me queixo), mas quero dar-te aquilo que não tenho mais ninguém a quem dar. Refiro-me a coisas que eu nunca pensei poder ou sequer querer dar a alguém exterior. É óbvio que isto não te obriga a nada, não precisas de responder (e estou quase certo de que não me vais responder), mas caso queiras dar um sinal de que as lês, escrevo no envelope o número da caixa postal que aluguei esta manhã só para ti.Se for preciso explicar, não vale a pena, nem precisas de responder, porque significa que me enganei contigo. Mas se tu és aquela que eu vi lá, a abraçar-se a si própria, com um sorriso um pouco magoado, penso que entenderás. Yair W.»**************************«Sei que houve muitos debates sobre este livro na Internet e que houve pessoas que iniciaram correspondências baseadas nesta. Para não falar de uns 12 casamentos a que tive de ir porque os noivos diziam que se tinham casado por causa deste livro. Mas também houve quem se divorciasse, o que nunca me aconteceu. Foi a primeira vez que um dos meus livros causou uma coisa destas. (…)Foram anos muito maus e eu insisti em escrever esta história sobre duas pessoas por sentir que a situação exterior era tão horrível e intrusiva, a invadir, a envenenar cada parte da nossa vida com medo e violência. Eu precisava de criar esta bolha de intimidade.Claro que, entretanto, escrevi muitos artigos políticos, fiz conferências, falei em manifestações, participei em iniciativas de paz, tudo isso. Mas na literatura precisava de lembrar que, apesar de sermos israelitas, temos direito a alguma intimidade, a este tipo de amor, e de insistir nas nossas emoções. Não permitir que a nossa alma encolha como encolheu naqueles anos, porque cada vez que tocava na realidade era doloroso e queimava.»DAVID GROSSMAN em entrevista a ALEXANDRA LUCAS COELHO, Público/Ípsilon, 9/11/2007«"Em Carne Viva" pode ser a mais estranha e triste história de amor alguma vez contada.» LOS ANGELES TIMES BOOK REVIEW«Irresistível… a intensidade emocional do romance de Grossman começa no grau máximo e mantém-se sempre no mesmo nível.»SUNDAY TELEGRAPH"A dor é um lugar largo. Pelos sentidos, ela expande-se ao exterior do corpo, tomando, adicta, sempre novos territórios. Quando a dor encontra a palavra certa, esta passa a ser um instrumento ao seu serviço e um lugar onde passa a habitar. «Em Carne Viva» é um livro do israelita David Grossman, com a morfologia da dor no seu interior, desenhada nos seus nervos pujantes, no labirinto, na exaustão. Raramente a literatura falou assim da dor. Muito raramente uma dor literária tem tido o poder de se comunicar com a dor sentida de cada leitor. «o amor é que tu sejas a faca com a qual eu escavo dentro de mim», escreve Miriam na sua embriaguês amorosa por Yair, o homem que iniciou o jogo perigoso entre os dois: uma fantasia assente apenas na correspondência trocada entre ambos, que, lesta, lhes desnuda as almas, abre cicatrizes, e a carne viva das palavras esmiúça os sentimentos até à loucura. Com a chancela da Campo das Letras, esta é uma estranha história de amor intenso, pungente e inquietante que o leitor dificilmente esquecerá." TERESA SÁ COUTO ( http://comlivros-teresa.blogspot.com/ )

...homem na escuridão...

"América está em guerra. Uma estranha e confusa Guerra Civil onde o 11 de Setembro e a guerra do Iraque não existem. Um conflito dentro da cabeça de August Brill, um crítico literário de 72 anos, preso a uma cadeira de rodas e aos problemas familiares. O novo livro de Paul Auster, «Homem na Escuridão», chega hoje às livrarias.
É já quase a meio do livro que se apresenta oficialmente a personagem principal: «Crítico literário reformado, setenta e dois anos, vive com a filha de quarenta e sete anos e a neta de vinte e três. A mulher dele morreu o ano passado. O marido da filha deixou-a há cinco anos. O namorado da neta foi morto.»
August Brill tem uma noite de insónias («mais uma noite em branco na imensidão da natureza selvagem da América») e a mente divaga. Os problemas familiares levam-no a reflectir sobre a sua própria vida ao mesmo tempo que inventa uma Guerra Civil nos Estados Unidos da América.
Aqui o 11 de Setembro não aconteceu, as Torres Gémeas ainda preenchem o céu de Nova Iorque e a guerra do Iraque nunca teve lugar. Em vez disso, os estados americanos estão em luta, e só há uma maneira de acabar com ela: Owen Brick (personagem inventada por August Brill) tem de matar o seu criador, o crítico literário cujas insónias o levam a criar mundos paralelos.
Paul Auster vai aparecendo nas entrelinhas, e há muito do autor por ali. Um ataque de tosse traz por momentos August Brill à realidade num momento em que se lembra dos protestos raciais em Newark de 1960. Essa é também uma parte da história de Paul Auster, essas páginas saíram directamente da vida dele.
Há também em «Homem na Escuridão» as narrativas intercaladas ao estilo de Paul Auster: de um lado uma personagem perdida numa Guerra Civil nos EUA do outro os dramas de uma família (quase) vencida pelas tragédias pessoais.
Não é um livro negro este, ainda assim. Depois de mergulhar fundo no poço de cada membro da família, a esperança surge na forma de uma frase de um poema de Rose Hawthorne, sobre quem a filha de Brill escreve um livro. Um verso de que August Brill gosta muito, e arriscamos a dizer que Auster também: «Enquanto o bizarro mundo continua a girar».
A morte no Líbano, em 2006, de Uri Gorssman, filho do escritor israelita David Grossman (a quem Paul Auster dedica o livro) foi o catalizador para escrever um livro sobre a famíla. Os destroços deixados pela morte de uma familiar roubado pela guerra é também uma das linhas mestras de «Homem na Escuridão». Eis o actual drama dos soldados norte-americanos puxado para dentro do livro. Mas esta obra é também, em parte, diz Paul Auster, uma reacção às eleições norte-americanas de 2000: “Al Gore ganhou e a vitória foi-lhe roubada pelos republicanos”, diz o autor.
Há momentos de fuga em «Homem na Escuridão». Sentados no sofá, avô (Agust Brill) e neta vêem e reveêm clássicos do cinema. Fogem das imagens que os assombram partindo para outras. Analisam filme a filme, cena a cena, elaboram teorias da criação cinematográfica. Imaginamos Paul Auster, escritor, ensaísta e também realizador a debitar todas as considerações sobre «objectos inanimados» nos filmes e a sua importância.
O próximo livro de Paul Auster já está terminado. «Invisible» tem como personagem central um jovem de vinte anos que vive em 1967. No cinema, não há nada planeado para os próximos tempos. Depois de «A vida interior de Martin Frost» (parcialmente rodado em Portugal), o autor ainda pensou levar ao grande ecrã «No país das últimas coisas», mas desisitiu do projecto." Vera Moutinho

sábado, 5 de dezembro de 2009

...areia fina...

"Apesar do muito que se escreve sobre corrupção e suas formas, é estranho que quase ninguém faça propostas para limitá-la. Quase tudo não passa de ajustes éticos e alertas para a elite política, é mais ou menos como pedir por favor ao ladrão que não roube.
Este assunto, tão paradoxal como anormal, encerra curiosidades estranhas como esta: está na mão dos afectados a capacidade de mudar as normas. Que possibilidade tem a sociedade civil de actuar contra os arrojos desta nova casta pro-feudal (cheia de rendas sem trabalho e prebendas), que passa de um cargo ao outro sem problemas, independentemente das capacidades técnicas ou conhecimentos? Como?
- Apenas pelo voto.
Entretanto trocam sorrisos entre si, com uma cumplicidade doentia, quando se encontram nas inúmeras inaugurações, congressos, contubérnios ou saraus sufragados com o dinheiro de todos.
Eu proponho não votar futuramente (estou farto desta patranha estúpida que diz se não votas não crês ou não podes participar na democracia) até que um partido inclua no seu programa quatro propostas:
Listas abertas (votamos nas pessoas não nos partidos);
Um máximo de permanência em qualquer lugar eleito, de 8 anos, eventualmente 12 (não à politica entendida como profissão vitalícia);
Declaração de bens antes e depois da passagem por qualquer cargo político (ninguém deve enriquecer ilicitamente com o dinheiro público);
Aumento das penas que o código prescreve para esta área.
Depois de eleito, todos os meus familiares e amigos com empresas, serão proibidos de concorrer a concursos públicos a partir do montante de 500.000,00€, salvo a excepção de esta empresa criar acima de 200 postos de trabalho a termo incerto."
www.ecosecomentários.blogspot.com

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

... oração da noite ...

SENHOR TODO PODEROSO, ESTE ANO VOCE LEVOU O MEU CANTOR E DANCARINO PREFERIDO, MICHAEL JACKSON, O MEU ACTOR PREFERIDO PATRICK SWAYZE E A MINHA ACTRIZ PREFERIDA FARRAH FAWCETT
SÓ QUERO LEMBRAR QUE O MEU POLITICO FAVORITO É O SÓCRATES!!!

!ESTOU-ME A CAGAR PARA A DEMOCRACIA POLÍTICA QUE TANTOS USAM COMO ARMA DE ARREMESSO!

... 10 anos? e já andam à porrada?...

"A Ruptura/FER não acredita, porém, nestas intenções. Para Gil Garcia, a "estratégia política" é a "aproximação ao PS", ainda que "nada disto seja revelado". "Enquanto o PS se mantiver no Governo, o BE continuará a subir eleitoralmente. Não querem interromper o mandato de José Sócrates", afirma, salientando que este "calculismo político-eleitoral" pretende tentar uma aproximação aos socialistas. Ou melhor, à ala alegrista, já que o líder bloquista não afasta a possibilidade de o BE apoiar uma eventual candidatura de Manuel Alegre a Belém." ler mais

...rui horta talk show (até se apagar o corpo) ...

"Talk Show é uma obra para quatro intérpretes e duas colunas de som. Um questionamento sobre o corpo enquanto sistema comunicante e sobre o seu desaparecimento ao longo da vida no território maior da sua evidência, o amor.
Um homem e uma mulher falam um com o outro à frente de uma plateia. As suas linguagens são simultaneamente a voz e o corpo. Falam de tudo e sobretudo através dos seus corpos, depositário do tempo, testemunhas de uma longa viagem. O corpo é a nossa única propriedade. Tudo o que realizamos tem a sua medida, tanto no espaço como no tempo.
Talk Show é um road movie do corpo. Uma viagem onde a memória se inscreve no decifrar do passado e no momento do ajuste de contas, face ao futuro. Um exercício de curiosidade e inquietude perante o desconhecido.
Quando o corpo se apaga , o que resta
?"

...ray - a drop of golden sun...